Bioinsumos na cultura da cana. quais são os mais utilizados

Bioinsumos na cultura da cana: quais são os mais utilizados?

A cultura da cana é essencial para a economia brasileira, e seu cultivo exige muito cuidado e atenção. Cada vez mais, os agricultores têm buscado soluções eficientes e que possibilitem um manejo mais sustentável das plantações, e é aí que entram os bioinsumos. Mas, o que são e qual o papel dos bioinsumos na cultura da cana? E quais são os mais utilizados? Entenda mais sobre esse assunto! 

O uso dos bioinsumos na cultura da cana e os seus benefícios 

Uma das principais culturas agrícolas do Brasil é a cana-de-açúcar. De acordo com a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), o país é o maior produtor e exportador de açúcar do mundo 

Nesse sentido, desde os anos 2000, a produção de cana-de-açúcar do Brasil cresceu de forma expressiva, impulsionada por fatores como a emergente demanda por fontes energéticas alternativas e mais sustentáveis, como o etanol, um derivado da cana.  

E uma das razões que ajudam a impulsionar esse crescimento foi o avanço nas tecnologias e inovações que contribuem para o melhor manejo da cana-de-açúcar. É o caso dos bioinsumos 

Esses produtos agrícolas têm como base microrganismos, extratos vegetais ou animais e enriquecem o solo com nutrientes. Entre as vantagens que eles trazem estão o controle biológico de pragas e doenças, além da melhoria da estrutura e da vitalidade das plantas.  

Mas, o que é um bioinsumo? Segundo a definição do Ministério, Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), a definição de um bioinsumo  é a seguinte: 

“O produto, o processo ou a tecnologia de origem vegetal, animal ou microbiana, destinado ao uso na produção, no armazenamento e no beneficiamento de produtos agropecuários, nos sistemas de produção aquáticos ou de florestas plantadas, que interfiram positivamente no crescimento, no desenvolvimento e no mecanismo de resposta de animais, de plantas, de microrganismos e de substâncias derivadas e que interajam com os produtos e os processos físico-químicos e biológicos.” 

A cultura da cana-de-açúcar tem uma ligação com o histórico dos bioinsumos no Brasil. Isso porque um dos primeiros usos desse tipo de insumo no Brasil foi o do fungo Metarhizium anisopliae, no controle da broca-da-cana. 

Esse, inclusive, é um dos benefícios do uso de bioinsumos na cultura da cana: a melhoria da resistência a pragas e doenças e um controle mais efetivo desses problemas.  

Além disso a prática de incorporar os bioinsumos na cultura da cana é muito importante, pois esses insumos estimulam o crescimento da cultura e melhoram a qualidade do solo.  

Além disso, eles contribuem para fortalecê-la para suportar condições adversas, como estresse hídrico e altas temperaturas. Outra vantagem desses insumos esses é que eles são sustentáveis, não sendo químicos e tendo poucos impactos ambientais.  

Mas, entre quando se trata de bioinsumos na cultura da cana, quais são os mais utilizados? 

Os bioinsumos mais utilizados no cultivo da cana-de-açúcar 

Apesar de poderem ter variadas origens, em geral, os bioinsumos podem ser mais ou menos agrupados em alguns grupos de acordo com as suas funções. Entre esses grupos, os mais comuns são: 

Em relação aos bioinsumos na cultura da cana, os mais utilizados são: 

1. Trichoderma spp e Bacillus subtilis

Microrganismos benéficos, como as espécies de fungos do gênero Trichoderma são importantes bioinsumos na cultura da cana, já que atuam como antagonistas que auxiliam no controle de patógenos do solo, como os causadores da podridão das raízes. 

Aqui, cabe destacar o papel do Bacillus subtitlis, cuja pesquisa sobre seu uso na agricultura é uma área em crescimento. Na cultura da cana ele é capaz, entre outros benefícios, de combater doenças e promover o crescimento das plantas.  

Isso através da competição com organismos patogênicos no solo, liberando substâncias antimicrobianas e estimulando o crescimento das raízes da planta.

2. Microrganismos fixadores de nitrogênio

Já as bactérias como as pertencentes aos gêneros Azospirillum e Herbaspirillum podem fixar nitrogênio atmosférico, ajudando a fornecer esse nutriente essencial às plantas. Assim, o uso desses bioinsumos na cultura da cana ajuda a tornar o manejo mais eficiente.

3. Bactérias disponibilizadoras de fósforo

Vale destacar também os microrganismos benéficos que pertencem a gêneros como o Bacillus e Pseudomonas. Eles são usados para solubilizar o fósforo do solo, tornando-o mais disponível para as plantas. 

Aqui cabe ressaltar o papel do Bacillus aryabhattai, microrganismo benéfico que ajuda no manejo agrícola nesse sentido e também traz diversos outros benefícios.

4. Fertilizantes biológicos

Outra categoria importante dos bioinsumos na cultura da cana é a dos fertilizantes biológicos. Esses insumos são produtos à base de extratos de algas, bactérias benéficas e outros micro-organismos são usados para melhorar a absorção de nutrientes pelas plantas.

5. Inseticidas biológicos

Por sua vez, os inseticidas biológicos, como aqueles que são produzidos à base de organismos como Bacillus thuringiensis, são empregados no controle de pragas da cana, a exempo da broca-da-cana.

6. Nematoides entomopatogênicos

Embora existam espécies que são agentes patológicos, também há certos tipos de nematoides benéficos, como os do gênero Steinernema e Heterorhabditis. Como bioinsumos na cultura da cana, eles são usados no controle de pragas subterrâneas.

7. Compostos orgânicos

Por fim, a aplicação de compostos orgânicos ricos em matéria orgânica pode melhorar a estrutura do solo e a retenção de água, beneficiando o cultivo da cana-de-açúcar. 

Como já mencionado, o histórico do uso dos bioinsumos na cultura da cana se relaciona com o histórico do uso desses insumos no Brasil. E, nesse sentido, o avanço das pesquisas têm permitido nova tecnologias que possibilitam o surgimento de soluções mais eficientes. 

A tecnologia e a inovação ajudam a potencializar o uso de bioinsumos na cultura da cana 

Assim como em todos os setores da sociedade, a inovação e a tecnologia são forças que impulsionam o surgimento de soluções na agricultura.  

Nessa atividade, as pesquisas, os estudos e o desenvolvimento de novas tecnologias tornam possíveis uma ampla gama de soluções mais eficazes: dos fertilizantes às máquinas agrícolas, bem como técnicas como o monitoramento e irrigação das lavouras, entre outros.  

As empresas de tecnologia agrícola, nesse contexto, desempenham um papel fundamental. É o caso da Verde Agritech , que traz ao agricultor soluções agrícolas eficientes e inovadoras, como o K Forte® e o BAKS®. 

 

Além de serem multinutrientes, sendo fonte de potássio e outros nutrientes essenciais para cana, o K Forte® e o BAKS® ainda são fonte de silício, um elemento benéfico que traz diversas vantagens para esse cultivo 

Eles ainda têm um diferencial importante, que são as tecnologias que eles incorporam. Para desenvolvê-las, a Verde Agritech trabalhou em conjunto com instituições de pesquisa renomadas e consolidadas ao longo de anos de estudo. 

Vale destacar ainda que os fertilizantes da Verde Agritech são livres de cloro, o que ajuda a potencializar o uso de bioinsumos na cultura da cana. Mas, por que isso acontece? 

O cloro é um micronutriente que as plantas precisam para crescer e se desenvolver. Todavia, as quantidades requeridas por elas são muito pequenas, normalmente já fornecidas pelo próprio solo.  

Acontece que, alguns dos fertilizantes utilizados na atividade agrícola têm uma composição com um alto nível de cloro. Assim, o seu uso faz com que haja um excesso de cloro aplicado no agroecossistema. 

Isso, por sua vez traz prejuízos tanto para as plantas quanto para o solo. Entre os prejuízos para o solo, está o aumento da salinidade. Com isso, a microbiota do solo acaba sendo prejudicada, o que diminui a eficácia de insumos com base biológica.  

Assim, graças a uma série de características vantajosas e às tecnologias e inovações que eles incorporam, os fertilizantes da Verde Agritech ajudam a otimizar a interação com bioinsumos na cultura da cana! 

Os bioinsumos trazem diversas vantagens para o manejo e as novas tecnologias fazem com que eles sejam cada vez mais eficazes 

Resumindo, o uso dos bioinsumos na cultura da cana é uma alternativa sustentável e eficiente para melhorar o manejo. Eles ajudam a promover o desenvolvimento das plantas de maneira natural, auxiliam na proteção da lavoura contra pragas e doenças, entre outras vantagens. 

Vale notar que existe uma gama variada de bioinsumos que podem ser utilizados na cana, como por exemplo os microrganismos benéficos. Entre eles, o Bacillus aryabhattai e o Bacillus subtilis são exemplos de rizobactérias que podem otimizar o manejo.  

Além disso, cada vez mais as pesquisas na área propiciam o surgimento de tecnologias inovadoras, que potencializam e otimizam o uso dos bioinsumos na cultura da cana. Dessa maneira o agricultor consegue fazer um manejo mais eficaz, alcançando mais produtividade, qualidade e rentabilidade na lavoura! 

Compartilhe esta publicação