Controle biológico. uma solução eficiente e sustentável para a agricultura brasileira

Controle biológico: uma solução eficiente e sustentável para a agricultura brasileira

A agricultura é crucial para a economia do Brasil, sendo responsável por grande parte das exportações e empregos no país. Além disso, é fundamental para a segurança alimentar e a sustentabilidade do país. No entanto, o crescimento da agricultura também pode ter um impacto negativo no meio ambiente e na saúde pública, se não for feito de maneira responsável. É aqui que entra o controle biológico na agricultura, uma prática que vem ganhando cada vez mais destaque como uma alternativa mais sustentável aos métodos tradicionais de controle de pragas. Entenda mais sobre o uso do controle biológico na agricultura.

O que é o controle biológico?

O controle biológico é uma técnica de manejo de pragas que se baseia na utilização de organismos vivos, como insetos, fungos e bactérias, para controlar as pragas que afetam as culturas agrícolas. Ainda que não pareça, essa é uma prática muito antiga, pois os chineses já usavam formigas para controlar pragas há séculos.

Hoje, com a busca por práticas de manejo mais sustentáveis, há um esforço para restituir o equilíbrio natural por meio do controle biológico. Com a evolução das técnicas de criação em grande escala de insetos, a resposta de controle é similar à dos produtos químicos e pode ser mais eficaz a longo prazo.

Além disso, o controle biológico é uma prática que pode ser integrada à agricultura, sem prejudicar a produção de alimentos ou o meio ambiente.

Como funciona o controle biológico na agricultura?

O controle biológico é uma abordagem alternativa para gerenciar pragas e doenças nas lavouras de forma mais sustentável. A prática utiliza organismos vivos – como insetos, bactérias e fungos – para controlar as pragas e doenças. Isso ajuda a preservar a biodiversidade e a saúde do solo, enquanto ainda protege as plantas.

O controle biológico na agricultura funciona da seguinte maneira: primeiro, os agricultores identificam as pragas ou doenças que estão prejudicando suas culturas. Em seguida, eles selecionam os organismos vivos que são os mais eficazes contra essas pragas ou doenças específicas. Esses organismos são então liberados na área de cultivo, onde eles passam a controlar as pragas ou doenças.

Mas como exatamente o controle biológico funciona na agricultura? Aqui estão alguns exemplos:

1. Insetos benéficos

O uso de insetos benéficos é uma estratégia comum no controle biológico da lavoura na agricultura. Esses insetos são liberados nas culturas para controlar pragas e doenças, sem o uso de pesticidas químicos. Exemplos incluem a liberação de insetos predadores para controlar pulgões e outros insetos sugadores. Além de ser uma alternativa mais saudável e ambientalmente amigável aos pesticidas químicos, o uso de insetos benéficos também pode ajudar a preservar a biodiversidade do solo e melhorar a saúde das culturas.

2. Microrganismos

Algumas bactérias e fungos são usados para controlar doenças nas plantas. Um exemplo é a rizobactéria Bacillus aryabhattai, isolada e identificada pela primeira vez em 2009. A melhoria da resistência das plantas a estresses bióticos promovida pelo Bacillus aryabhattai está relacionada a diferentes mecanismos que essa rizobactéria apresenta para o controle de algumas pragas e doenças.

Um caso de sucesso do uso do aryabhattai para o controle de fitopatógenos foi relatado por Sonam Antil e seus colegas pesquisadores, no artigo On the potential of Bacillus aryabhattai KMT-4 against Meloidogyne javanica. Nesse estudo, os pesquisadores observaram que o Bacillus aryabhattai se mostrou eficaz para controlar o nematoide das galhas (Meloidogyne javanica) na cultura do tomate. Em outras culturas, como a soja e o milho, essa rizobactéria também foi identificada como um agente de controle biológico efetivo para o controle do nematoide do cisto (Heterodera glycines) e outra espécie do nematoide das galhas (Meloydogyne inconita), respectivamente.

3. Plantas hospedeiras

O uso de plantas hospedeiras é uma estratégia importante no uso do controle biológico. As plantas hospedeiras são cultivadas junto com as culturas principais com o objetivo de atrair e sustentar insetos benéficos, como predadores e parasitóides, que podem controlar pragas e doenças. Além disso, as plantas hospedeiras também podem ser usadas para ajudar a equilibrar a população de insetos na lavoura, o que pode prevenir o florescimento de pragas e a necessidade de pesticidas químicos. Ao mesmo tempo, o uso de plantas hospedeiras também pode ajudar a preservar a biodiversidade do solo e aumentar a saúde das culturas.

Benefícios do controle biológico na agricultura

O uso do controle biológico na agricultura traz inúmeros benefícios, tanto para o meio ambiente quanto para a produção agrícola. Além de ser uma alternativa mais sustentável aos pesticidas químicos, o controle biológico ajuda a preservar a biodiversidade e a promover a saúde dos solos. Confira alguns benefícios que o uso do controle biológico pode trazer para a agricultura:

1. Redução da dependência de produtos químicos

O uso do controle biológico permite que os agricultores reduzam a dependência de inseticidas e pesticidas químicos, que podem ter um impacto negativo no meio ambiente e na saúde humana, quando não utilizados de forma responsável.

Controle biológico: uma solução eficiente e sustentável para a agricultura brasileira - e book01–fontes de enxofre usadas na agricultura

2. Promoção da biodiversidade

Ao utilizar organismos vivos para controlar as pragas, o controle biológico promove a biodiversidade no campo. Isso pode ter um impacto positivo na produção de alimentos, uma vez que a biodiversidade é fundamental para o funcionamento dos ecossistemas agrícolas e para a saúde das culturas.

3. Certificação orgânica

O controle biológico é uma excelente opção para os agricultores que buscam obter certificações de produção sustentável, como a certificação orgânica. Ao adotar práticas de controle biológico, os agricultores podem atender aos requisitos dessas certificações e aumentar a demanda por seus produtos.

4. Melhoria da saúde dos solos

O controle biológico permite que os agricultores mantenham a saúde dos solos, sem prejudicar o meio ambiente. Isso porque em vez de recorrer a pesticidas químicos, o controle biológico utiliza organismos vivos, como insetos, fungos e bactérias, para controlar pragas e doenças nas plantas.

Isso não apenas evita a contaminação química do solo, mas também ajuda a preservar a biodiversidade do solo, como citado anteriormente. Além disso, o controle biológico pode ajudar a aumentar a quantidade de matéria orgânica no solo, o que melhora a estrutura e a retenção de água.

O caminho para uma agricultura mais sustentável e eficiente

Por fim, o uso do controle biológico é uma abordagem mais sustentável para gerenciar pragas e doenças nas culturas, e está ganhando cada vez mais popularidade entre os agricultores. Se você está interessado em implementar o controle biológico em sua lavoura, é importante pesquisar as opções disponíveis e trabalhar com especialistas para garantir o sucesso.

 

Referências: PARRA, José R. P. Controle Biológico na Agricultura Brasileira. Entomological Communications, 1, 2019. Disponível em https://pdfs.semanticscholar.org/ea6b/0f9d8f36a77856a82525f7dfd466aae4b96b.pdf

Compartilhe esta publicação