Conab Aponta Que Produtividade De Grãos Deve Ser Menor Que O Esperado: Descubra Ações Que Podem Mitigar Isso

Conab aponta que produtividade de grãos deve ser menor que o esperado: descubra ações que podem mitigar isso

A Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) ajustou a estimativa para a safra de grãos no Brasil. Todavia, as projeções mostram uma queda na produtividade de grãos, que estão entre as commodities agrícolas mais importantes para o Brasil. Descubra os motivos para essa redução e algumas ações que podem ajudar a mitigar isso! 

Produtividade de grãos no Brasil deve ser menor que o esperado

O cultivo de grãos, como a soja, o milho e o feijão, é muito importante para a agricultura brasileira. A prova disso é que o país é destaque na produção e exportação de várias dessas culturas.

No entanto, a estimativa para a colheita total de grãos da safra 2023/24 deve ficar abaixo das expectativas iniciais e da colheita do ciclo anterior. É o que aponta a última estimativa da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab).

No último boletim divulgado pela instituição, no início de fevereiro, o total da safra de grãos deve chegar a 299,8 milhões de toneladas. Isso aponta uma diminuição de quase 18 milhões de toneladas em relação à primeira estimativa da Conab.

Já em relação à safra 2022/2023, o volume projetado para a colheita de grãos é 6,3% menor, o que equivale a pouco mais de 20 milhões de toneladas.

Dentre os cultivos de grãos, o plantio de soja representa quase 50% do valor total produzido pelo Brasil. E as lavouras de soja também tiveram uma queda na produtividade estimada na comparação com o ciclo passado.

De acordo com a Conab, a colheita de soja desse ano deve atingir 149,4 milhões de toneladas, uma queda de 3,4% quando é feita a comparação ao ciclo 2022/23.

Em relação à estimativa inicial, a queda chega a 7,8%, já que era esperada uma produtividade de 162 milhões de toneladas.

Relatos colhidos pelo Dr. Marcos Fava Neves, Engenheiro Agrônomo e analista do cenário agrícola, mostram que essa projeção está se refletindo no campo.

Segundo ele, agricultores de de diferentes regiões produtoras apontam uma produtividade entre 30 e 50 sacas por hectare, abaixo do que estava esperado para a produção de soja deste ano.

Outra importante commodity agrícola para o Brasil que teve a expectativa de produção reajustada para baixo é o milho.

A produção deve apresentar um volume de produção de 113,7 milhões de toneladas, uma queda de pouco mais de 18 milhões de toneladas em relação à primeira projeção feita pela Conab.

Mas, quais são as razões por trás dessa diminuição da produtividade de grãos na safra 2023/2024? 

Como o clima pode afetar a produtividade de grãos no Brasil?

Para a Companhia Nacional de Abastecimento, a queda no desempenho das lavouras de grãos brasileiras está relacionada às dificuldades climáticas que os produtores têm enfrentado nos últimos tempos no país.

Segundo a entidade, na lavoura de soja houve ocorrências climáticas que se refletiram negativamente na produtividade do grão no Brasil, tais como:

Já para o plantio do milho, as possíveis causas apontadas pela Conab para a perda de produtividade são similares. Entre outros fatores, a instituição aponta situações adversas que aconteceram, como:

  • Níveis elevadas de chuvas no Sul do país;
  • Baixas ocorrências de chuvas no Centro-Oeste;
  • Altas temperaturas.

Vale lembrar que o clima tem sofrido com variações extremas nos últimos tempos, em decorrência das mudanças climáticas.

Nesse contexto, também é importante destacar que o El Niño, evento climático que traz sérias perturbações nos padrões climáticos do Brasil, tem se manifestado de maneira particularmente intensa, sendo até mesmo classificado como Super El Niño.

Isso tem impactos na atividade agrícola de maneira geral e, como visto, na produtividade de grãos do Brasil. Mas, como o agricultor pode minimizar esses impactos?

O papel da adubação para otimizar a produtividade de grãos

Além de ações como o monitoramento do clima e a implementação de tecnologias que possam ajudar a mitigar os impactos das variações dele, como sistemas de irrigação eficientes, a adubação pode ser uma ferramenta muito importante nesse sentido.

É através dessa etapa do manejo que é possível construir e manter a fertilidade do solo. E, nesse contexto, os fertilizantes ferramentas fundamentais. Isso porque é principalmente através dele que se fornece os nutrientes essenciais para as plantas.

Além disso contribuir para o crescimento e o desenvolvimento delas, o que impacta diretamente na produtividade de grãos, os nutrientes também podem exercer um papel importante na forma como elas lidam com o clima.

O potássio, por exemplo, é um nutriente que altamente requerido pelos cultivos agrícolas, inclusive os de grãos, como a soja e o milho.

A razão disso é a sua ampla atuação na fisiologia e metabolismo vegetal. Por exemplo, ele tem um papel importante no metabolismo e no transporte de carboidratos, graças ao qual ele é visto como o nutriente da qualidade na agricultura.

Todavia, além disso, ele também pode ser importante para a forma como elas lidam com as variações de temperatura e clima. Isso porque ele regula os processos osmóticos, que estão ligados à abertura e no fechamento dos estômatos.

Essas estruturas estão envolvidas na evapotranspiração vegetal. Por sua vez, esse processo que ajuda as plantas a lidarem com situações de estresse hídrico.

Outros nutrientes ainda estão ligados à boa formação do sistema radicular, como o boro e o fósforo, o que ajuda as plantas a terem melhores condições de captarem água do solo.

E vale notar também o papel do silício, que é amplamente reconhecido como um elemento benéfico para as plantas. Isso porque a sua inclusão na adubação pode trazer diversas vantagens para as plantas.

A razão disso é que ele atua tanto no fortalecimento dos tecidos vegetais quanto no metabolismo e fisiologia vegetal. Por sua vez, isso ajuda na indução da resistência a estresses abióticos, como as secas, e também os abióticos, ou seja, praga e doenças.

Cabe ressaltar que o excesso de chuvas, que tem sido uma das consequências das variações climáticas atuais, pode favorecer o aparecimento dessas pragas e doenças nos cultivos.

É o caso, por exemplo, do aumento das ocorrências de casos de ferrugem asiática da soja registrado recentemente, consequência da combinação de altas temperaturas e de alta umidade, o que pode ocorrer depois de períodos chuvosos intensos.

Tendo isso em mente, é importante que o agricultor opte por fertilizantes que sejam eficientes na nutrição agrícola e que tragam vantagens para o manejo. É o caso do K Forte® e dos outros que a Verde Agritech produz.

Uma das características mais vantajosas dos fertilizantes da Verde Agritech é que eles são multinutrientes. Assim, eles fornecem o potássio e de outros nutrientes essenciais para otimizar a produtividade de grãos e outras culturas.

E eles também são fonte de silício, o que faz com que o manejo se torne mais completo com o uso de um único fertilizante. Além disso, como visto, isso pode ser chave na mitigação dos danos que o clima pode ter na produtividade de grãos.

Outra característica vantajosa do K Forte® e dos outros fertilizantes da Verde Agritech são as tecnologias inovadoras e exclusivas com as quais eles contam. Uma delas é a Bio Revolution, graças a qual eles podem ser aditivados com microrganismos benéficos.

Cada vez mais, o potencial desses pequenos seres tem sido enxergado e empregado na agricultura, já que eles podem beneficiar muito o manejo agrícola.

O consagrado Bacillus aryabhattai, que é o primeiro microrganismo que a Verde Agritech utiliza em seus fertilizantes com a Bio Revolution, beneficia as plantas e o solo de diversas maneiras.

Ele ajuda não somente na melhoria da produtividade de grãos e outras culturas, promovendo por exemplo a melhoria da disponibilização de nutrientes, mas também pode ajudar na mitigação dos impactos do clima.

Isso porque ele promove a indução da resistência aos estresses bióticos e abióticos também, entre várias outras vantagens.

O Bacillus aryabhattai é uma rizobactéria que traz diversas vantagens para o manejo agrícola

O K Forte® e os outros fertilizantes da Verde Agritech contam ainda com muitas outras tecnologias que proporcionam características como a disponibilização gradual de nutrientes.

Além de proporcionar um efeito residual duradouro, essa característica possibilita a construção e manutenção da fertilidade do solo de maneira mais eficaz. Assim, o manejo é otimizado e o investimento do agricultor é valorizado.

Dessa maneira, é possível nutrir a lavoura de maneira eficiente e com nutrientes que ajudam a minimizar os impactos do clima, ajudando a otimizar a produtividade de grãos.

Implementar ações para minimizar impactos e investir em uma boa adubação pode ajudar a evitar que o clima prejudique a produtividade de grãos

Em síntese, a estimativa para a safra 2023/24 aponta para uma redução na produtividade de grãos no Brasil, em decorrência de adversidades relacionadas ao clima.

A soja, o milho e outros cultivos importantes para a agricultura brasileira sofreram o impacto das recentes variações climáticas que ocorreram no país, como volumes de chuva irregulares, altas temperatura e outros.

Nesse contexto, além de implementar ações que ajudem a minimizar esses impactos, como uma boa irrigação, o agricultor precisa investir em uma adubação que seja eficaz, com nutrientes que ajudem as plantas a lidarem com possíveis estresses abióticos.

Dessa maneira, é possível mitigar os efeitos do clima e ajudar na otimização da produtividade de grãos!

Compartilhe esta publicação