A alta dos preços dos fertilizantes pode estar reduzindo seus lucros

O preço dos principais fertilizantes utilizados na agricultura brasileira teve alta de mais de 200% nos últimos nove anos e tem impactado diretamente nos custos da produção agrícola do país, segundo os dados do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea-Esalq/USP).  Entenda mais sobre a dinâmica de valores do mercado de fertilizantes e alternativas para aumentar o seu lucro.

Por que os fertilizantes são tão caros no Brasil?

A demanda brasileira de fertilizantes vem dos quase 70 milhões de hectares destinados a atividade agrícola, segundo o Monitoramento da Cobertura e Uso da Terra realizado em 2018.

Grande parte dessas terras, naturalmente, apresentam uma baixa disponibilidade de nutrientes por serem muito antigas e intemperizadas. E, em algumas regiões, como o cerrado, isso é ainda mais potencializado pela acidez excessiva, que pode gerar:

Com isso, a alta demanda de fertilizantes não vem apenas da grande extensão de terras agrícolas, mas como também devido a características intrínsecas aos solos do país. De acordo com o Canal Rural, em 2020, foram consumidos mais de 30 milhões de toneladas de fertilizantes contudo, todo esse montante não chega nem perto da capacidade de produção da indústria nacional.

Nos últimos anos, observou-se uma tendência de queda da produção nacional de fertilizantes que registrou apenas 8,2 milhões de toneladas em 2020. A revista Cultivar destacou que um dos motivos para essa queda é a tributação.

A discrepância entre as alíquotas estaduais de ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) e bitributação que acontece quando a comercialização envolve duas unidades da federação, apenas desestimulam as empresas nacionais e tornam o Brasil extremamente dependente do mercado externo.

Segundo a Associação Nacional para Difusão de Adubos (ANDA), mais de 70% dos fertilizantes usados na agricultura brasileira são importados, com destaque para alta dependência externa do:

  • Cloreto de Potássio: com cerca de 95%;
  • Nitrogênio: com mais de 80%;
  • Fosfato: com cerca de 60%.
A GloblaFert apontou que, em 2020, o Brasil, a China, a Índia e os Estados Unidos concentraram 58% da demanda global de macronutrientes

A GloblaFert apontou que, em 2020, o Brasil, a China, a Índia e os Estados Unidos concentraram 58% da demanda global de macronutrientes (nitrogênio, fósforo e potássio). (Fonte:  Henry Be – Unsplash)

Uma das consequências da grande dependência de importações de fertilizantes é que o preço deles acaba atrelado às flutuações da principal moeda de câmbio: o dólar. Desde março de 2020, a cotação do dólar vem fechando acima de R$5 e influenciando o valor final dos fertilizantes para o agricultor, fazendo com que eles fiquem mais caros.

Entretanto, não é somente o dólar que vem afetando essa dinâmica de preços, que vêm subindo desde o começo do ano de 2021. O Cloreto de Potássio (KCl), por exemplo, saltou de U$ 250,00 por tonelada em janeiro de 2021 para U$ 780,00 por tonelada em meados de outubro.Comparação do preço de alguns dos principais fertiizantes utilizados no Brasil (Fonte: ACERTO Weekly Fertilizer Report Brazil 01/01/2021 e 14/10/2021)

Comparação do preço de alguns dos principais fertiizantes utilizados no Brasil (Fonte: ACERTO Weekly Fertilizer Report Brazil 01/01/2021 e 14/10/2021)

Em reais, o valor do preço do Cloreto de Potássio saltou de R$ 1317,00 (na cotação do dia 01/01/2021) para R$ 4.297,80 (na cotação do dia 14/10/2021). Isso representa um aumento de 226,33%.

Mas, o que pode explicar esse aumento?

As mudanças geopolíticas também influenciam os preços dos fertilizantes

A própria imprevisibilidade da situação dos principais produtores de fertilizantes mundial pode afetar severamente os preços do mercado.

Nos últimos meses, por exemplo, a interferência da crise sociopolítica da Bielorrúsia ou ainda o fechamento das minas de potássio da Mosaic no Canadá, afetaram a comercialização e os preços dos fertilizantes potássicos no mundo inteiro.

Essa interferência acontece porque a Bielorússia e o Canadá, juntamente com a Rússia, controlam 80% da produção e distribuição mundial do Cloreto de Potássio (KCl).

Mas será que só o cenário externo tem influência nos preços dos fertilizantes no país? Não, outro fator responsável pela alta do preço dos fertilizantes no Brasil foi o tabelamento feito após a greve dos caminhoneiros que ocorreu em meados de 2018.

De acordo com um levantamento feito pela Confederação Nacional das Indústrias (CNI), o valor do transporte rodoviário ficou 12% mais caro com a medida e levou ao aumento do preço dos fretes.

E o que torna todo esse cenário ainda mais preocupante para o agricultor é que ele ainda não acabou. Em comparação com janeiro de 2020, o preço dos fertilizantes no país teve um aumento em média de 59,8% só no primeiro semestre em decorrência dos diversos motivos evidenciados pelo o economista Luiz Carlos Hauly e o Engenheiro Agrônomo Décio Gazzoni:

 

Para lidar com esse cenário de instabilidade que está levando ao aumento do preço dos fertilizantes, é preciso buscar por alternativas aos insumos importados.

Uma das formas de lidar com os altos preços dos fertilizantes é buscar substitutos aos insumos importados

Uma das estratégias para alcançar a redução de custos dos fertilizantes é buscar por alternativas que substituam parcialmente ou totalmente os insumos importados. O agricultor, ao buscar por fornecedores mais próximos da sua propriedade, reduz os custos do insumo com o fretamento e ainda pode encontrar fontes de nutrientes com diversos benefícios.

Esse é o caso, por exemplo, do Siltito Glauconítico encontrado no município de São Gotardo em Minas Gerais. Ele é uma rocha sedimentar rica em minerais potássicos que dá origem aos fertilizantes multinutrientes da Verde: BAKS®, K Forte®, K Forte Boro e Silício Forte.

Além de suprir as demandas nutricionais da planta, esses fertilizantes nacionais são capazes de melhorar a qualidade física e química do solo e não causam problemas recorrentes em muitos fertilizantes convencionais, como a:

Assim, o agricultor que utiliza fontes de nutrientes nacionais para adubação, não estará apenas reduzindo os efeitos da alta dos preços dos fertilizantes importados nos seus lucros, mas como também estará oferecendo benefícios para sua lavoura que podem incrementar a sua produtividade!