Descubra como o uso de bioinsumos melhora a eficiência da compostagem

Descubra como o uso de bioinsumos melhora a eficiência da compostagem

A compostagem é uma técnica que traz vários benefícios para a agricultura. A utilização de bioinsumos tem se mostrado uma boa ferramenta para otimizar a eficiência dessa técnica. Saiba mais sobre as inovações em bioinsumos para a compostagem e sobre a importância de preservar a microbiota do solo.

Os benefícios da compostagem para a agricultura

A compostagem é, em uma explicação rápida, um processo de transformação de materiais e resíduos biológicos, como estrume, cama de frango e palhada, em materiais orgânicos que podem ser utilizados no manejo agrícola.

Na agricultura, a técnica da compostagem é uma ferramenta importante, uma vez que ela fornece ao solo a matéria orgânica. O processo de decomposição e transformação dos resíduos biológicos que acontece durante a compostagem envolve processos bioquímicos complexos, que envolvem a ação de  microrganismos.

Francisco Nelsiudes Sombra Oliveira, pesquisador da Empresa Brasileira de Agropecuária (EMBRAPA), no artigo Uso da Compostagem em Sistemas Agrícolas Orgânicos, aponta os principais benefícios da compostagem para a agricultura:

    • Fornecimento de elementos nutritivos ao solo;
    • Melhoria do nível de aproveitamento dos adubos minerais;
    • Promoção da disponibilização de nutrientes em solos minerais;
    • Melhoria da estrutura do solo;
    • Elevação da capacidade de troca catiônica (CTC) do solo;
    • Melhoria da capacidade tampão (resistência a mudanças de pH) do solo;
    • Favorece uma maior atividade microbiana no solo.

Já a diretora técnica da MK2R Soluções em Compostagem, Kátia Beltrame, e o diretor de pesquisa da Agroadvance e consultor da Vittagro, Dr. Eduardo Zavaschi, chamam a atenção para a importância da compostagem no cenário da agricultura tropical.

Assim, além do reaproveitamento de resíduos, a compostagem se torna uma ferramenta muito importante na promoção de uma agricultura mais sustentável e no aumento da produtividade da atividade agrícola. 

E, uma vez que os microrganismos são parte fundamental da compostagem, os bioinsumos ajudam a potencializar os benefícios dessa técnica.  

Os bioinsumos podem tornar a compostagem mais eficiente

Uma das principais inovações em bioinsumos para a compostagem é o uso dos microrganismos eficientes ou microrganismos eficazes (ME). Esse tipo de bioinsumo contém uma série de microrganismos, entre eles: 

  • Microrganismos anaeróbicos (que não necessitam de oxigênio); 
  • Microrganismos aeróbios (que necessitam de oxigênio); 
  • Bactérias produtoras de ácido láctico; 
  • Bactérias fotossintéticas; 
  • Leveduras; 
  • Fungos. 

Alguns dos microrganismos considerados ME são as bactérias Rhodopseudomonas palustrusRhodobacter spaeroidesLactobacillus plantarumL. casei e Streptoccus lactis e os fungos Aspergillus oryzae e Mucor hiemalis, e leveduras como Saccharomyces cerevisiae e Candida utilis 

Esses microrganismos ocorrem naturalmente na natureza, mas sua inoculação, ou seja, sua aplicação à matéria orgânica aumenta a sua população e beneficia o processo da compostagem.  

No estudo Utilização de Microrganismos Eficazes no Preparo da Compostagem Luciene Soares Vicentini e outros pesquisadores investigaram o uso do ME na compostagem. Para isso, eles compararam os resultados de compostos orgânicos que utilizaram o ME com compostos orgânicos que não utilizaram.  

Os resultados mostraram que o uso do ME reduziu o tempo de preparo do composto e aumentou a eficiência do processo de compostagem em 65%.  

Assim, pensar nos microrganismos na hora de fazer a compostagem é muito importante para o sucesso da técnica. Além disso, esses seres possuem outras funções vitais no aumento da sustentabilidade na agricultura.  

A importância da preservação da microbiota

O conjunto dos microrganismos que formam um ecossistema complexo, diverso e dinâmico no solo recebe o nome de microbiota ou microbioma do solo. Práticas que mantenham a microbiota do solo saudável são muito importantes para produzir alimentos com mais qualidade e obter maior rentabilidade na lavoura.

Como o uso do ME na compostagem demonstra, na maioria das vezes os microrganismos não são um mal que precisa ser combatido. E, além do seu uso na compostagem, os microrganismos formam relações simbióticas muito importantes com as plantas, que trazem benefícios para elas e para o agricultor. 

Eliane Aparecida Gomes, juntamente com outros pesquisadores da Embrapa, no documento Microrganismos promotores do crescimento de plantas, fala sobre os papeis fundamentais dos microrganismos no desenvolvimento vegetal: 

“O papel benéfico da comunidade microbiana na promoção do crescimento das plantas pode ocorrer de inúmeras formas, por exemplo, atuando na mobilização e transporte de nutrientes para a planta pela fixação de nitrogênio e solubilização/mineralização de fósforo, aumento da área de absorção das raízes, produção de fito-hormônios e de compostos orgânicos voláteis que estimulam o desenvolvimento vegetal e proteção das plantas contra patógenos.” 

Outros estudos apontam ainda o papel dos microrganismos na melhora da capacidade das plantas de lidarem com condições de seca. É o caso da pesquisa Estimulation of Plant Growth and Drought Tolerance by Native Microorganisms (AM Fungi and Bacteria) from Dry Environments: Mechanisms Related to Bacterial Effectiveness, dos pesquisadores Adriana Marulanda, José-Miguel Barea e Rosário Azcon. 

Uma vez que a agricultura atual é impactada pelas mudanças climáticas, deixando o cultivo suscetível às imprevisibilidades no clima, esse papel dos microrganismos é bastante relevante no sucesso do cultivo.  

Além disso, a ação benéfica deles na solubilização de nutrientes e combate à patógenos nocivos faz da preservação da microbiota uma ferramenta importante na busca de uma agricultura que seja cada vez mais sustentável. 

Mas, além do uso dos microrganismos na compostagem, que outras ações podem ajudar nisso? 

Os fertilizantes certos podem ajudar a preservar o microbioma do solo

O uso de fertilizantes que preservem a microbiota do solo é uma estratégia fundamental nesse novo jeito de fazer agricultura. É o caso, por exemplo, dos fertilizantes que sejam livres de cloro em sua composição 

O BAKS® é uma tecnologia de nutrição que oferece os benefícios do Siltito Glauconítico, do enxofre elementar micronizado e da ulexita para que sua lavoura esteja sempre bem nutrida.

BAKS® é um grande aliado da microbiota, devido à uma tecnologia desenvolvida pela Verde, a estrutura das matérias-primas do fertilizante é transformada em micropartículas que se distribuem uniformemente pelo solo.

Quanto menor o tamanho da partícula do fertilizante maior a superfície de contato e a possibilidade de reação com a solução do solo. Isso facilita o trabalho dos microrganismos.

Utilize o BAKS®, preserve os microrganismos do solo e melhore a eficiência dos bioinsumos!