Cafeicultor de Candeias – MG fala sobre fonte de potássio que melhorou a microbiota do solo e a bebida do café

Cafeicultor de Candeias – MG fala sobre fonte de potássio que melhorou a microbiota do solo e a bebida do café

Gustavo Moreira é cafeicultor e representante técnico em Candeias, Minas Gerais. O uso do K Forte® trouxe melhora na bebida do café e na microbiota do solo na fazenda de Gustavo e nas propriedades dos clientes que ele atende. Saiba mais sobre esses e outros benefícios proporcionados pelo fertilizante multinutriente da Verde.

K Forte®: uma nova fonte de potássio para a agricultura

A cafeicultura está na vida de Gustavo Moreira desde que ele nasceu: seu pai era produtor de café e, há cinco anos, Gustavo assumiu a propriedade da família. A partir daí, Gustavo conta que precisou estudar mais e conhecer novas tecnologias para melhorar a produtividade da lavoura.

Uma das tecnologias que ele conheceu foi o K Forte®, fertilizante multinutriente da Verde.  Gustavo relata benefícios do K Forte® não só para o café, mas também para a soja, cultura com a qual ele tem contato por meio do seu trabalho como representante técnico:

“Até então o potássio só vinha de uma fonte, na nossa cabeça. Então, o que mais me chamou a atenção no K Forte® foi esse novo horizonte que ele pôde trazer pra gente. Nas lavouras, pelo que a gente tem visto, ele traz uma qualidade, no caso do café, por exemplo, de bebida. No caso da soja, tem uma melhoria na microbiologia do solo muito grande. Então, são diversos benefícios.”

Falando sobre a cafeicultura, Gustavo conta que trabalha com cafés especiais e que uma de suas intenções é passar a fazer um manejo agrícola completamente orgânico. Para ele, a mudança de paradigma está relacionada com a melhora da qualidade da bebida do café e ele conta que alguns de seus clientes que já usam o K Forte® perceberam melhoras nesse parâmetro.

Mas, como o K Forte® ajuda a melhorar a qualidade da bebida do café?

Potássio sem cloro é bom para os microrganismos e para a qualidade da bebida do café

O potássio é o segundo nutriente mais absorvido e exportado pelo cafeeiro, segundo escreve o renomado agrônomo e pesquisador Eurípedes Malavolta no livro Nutrição mineral e adubação do cafeeiro: colheitas econômicas máximas. Por isso, é importante que ele seja incluído no manejo nutricional dessa cultura.

O Cloreto de Potássio (KCl) é uma das fontes de potássio mais utilizadas na agricultura. Isso acontece graças ao seu teor de potássio e a disponibilização rápida do nutriente. Entretanto, Gustavo Moreira conta que ele tem realizado experimentos para mostrar aos seus clientes que o K Forte® também é capaz de nutrir bem a lavoura:

“A gente fez um projeto comparando a aplicação do cloreto de potássio normal, nas quantidades recomendadas e do K Forte® na quantidade recomendada. Existe um paradigma muito grande no mercado, em relação à disponibilidade do nutriente. Outra coisa que a gente está querendo prover com esse trabalho é que o K Forte®, associado aos microrganismos que solubilizam a matéria orgânica e fazem a quebra do carbono nas ligações covalentes do solo, a gente quer chegar a descobrir alguma coisa nesse sentido né? A gente acredita que isso pode acontecer.”

Uma das limitações do Cloreto de Potássio é o seu alto teor de cloro: ele tem cerca de 47% desse elemento em sua composição. Embora o cloro seja um micronutriente importante para o desenvolvimento das plantas, ele é requerido em pequenas quantidades, que geralmente já são fornecidas pelo solo.

Quando em excesso, o cloro provoca problemas para o solo e para as plantas. Na cafeicultura, ele pode inclusive interferir na qualidade da bebida do café. Isso porque há estudos que mostram que ele diminui a atividade de uma enzima chamada polifenoloxidase (PPO).

Segundo a doutora em Nutrição de Solos Hermínia Emília Prieto Martinez e outros pesquisadores, no artigo Nutrição mineral do cafeeiro e qualidade da bebida, a atividade da PPO está significativamente ligada à qualidade da bebida.

Entretanto, não é somente afetando a atividade da polifenoloxidase que o excesso de cloro pode prejudicar a qualidade da bebida do café. A microbiota do solo também tem um papel relevante nos bons resultados desse parâmetro.

Gustavo Moreira ressalta que os microrganismos do solo são afetados quando há muito cloro no manejo agrícola e avalia que o K Forte® é uma opção para contornar esse problema:

“Não é meu o estudo, é claro, mas existe material da UFLA aí comprovando 40% de perda na microbiologia do solo. Então só isso aí bastaria pra gente eliminar o cloreto. Mas até então não existia alternativa, né? A gente não conhecia outra alternativa. Quando o K Forte® surgiu, como a gente gosta de falar aqui na roça: ‘juntou a fome com a vontade de comer’.”

Ainda assim, segundo Gustavo, muitos agricultores têm resistência a trocar a fonte de potássio do manejo nutricional. Mas, por que isso acontece?

As vantagens da liberação gradual de nutrientes

A velocidade de disponibilização do potássio ainda é uma grande barreira para que os agricultores mudem o fertilizante utilizado na agricultura. Existe ainda a ideia de que quanto mais rápido o nutriente é disponibilizado para as plantas, é melhor.

Em alguns casos, como por exemplo quando há uma deficiência muito grande do nutriente no solo, isso é verdade. Entretanto, fontes que disponibilizam os seus nutrientes muito rapidamente, como é o caso do Cloreto de Potássio, são mais suscetíveis à lixiviação.

Já o K Forte® é uma fonte de liberação gradual. Isso significa que os nutrientes são disponibilizados ao longo de um período maior de tempo para as plantas evitando perdas para as camadas mais profundas do solo, longe das raízes. Gustavo Moreira avalia que isso é vantajoso para a cafeicultura:

“O pé de café não fica ali só três meses. Ele fica ali o ano inteiro e precisa de potássio o ano inteiro. Essa facilidade que o cloreto de potássio tem de solubilizar o nutriente, no nosso caso, dependendo do ano, ela pode ser ao invés de uma qualidade, ser um problema. Em um ano que chove muito, aquela facilidade do nutriente de dissolver no solo, ele vai embora, então você está perdendo o nutriente. No caso do K Forte®, por ser mais lento esse processo, a gente não perde. A chance da sua adubação, do que você mandou pro chão a planta não absorver, é impossível. Ela pode demorar, mas ela vai absorver um dia. Então só nisso aí já é uma vantagem imensa.”

Além disso, outra percepção de Gustavo em relação ao K Forte® foi em relação aos efeitos positivos que o silício presente no fertilizante traz.

Os benefícios do silício para a agricultura

Desde 2015, o silício é um elemento considerado como benéfico para as plantas pela comunidade científica, melhorando a resistência delas aos estresses bióticos e abióticos.

Gustavo conta que percebeu que as plantas tratadas com o K Forte® tiveram um enrijecimento da parede celular, ficando mais vigorosas e resistentes aos ataques de insetos pragas que consumem as folhas, por exemplo. Além disso, ele fala sobre como elas lidaram melhor com o estresse hídrico:

“Um exemplo básico e claro que a gente teve aqui foi quando o sol estava muito forte, numa situação de estresse hídrico, a lavoura tratada com K Forte® apresentava claramente um menor encolhimento das folhas. Os parênquimas paliçádicos da planta não entravam em estresse tão cedo quanto a planta que não foi tratada com o produto. O que a gente conseguiu perceber a olho nu foi isso.”

Os benefícios do silício, aliados ao fato de ser uma fonte de potássio sem cloro, são motivos para que Gustavo tenha incorporado o K Forte® não somente no seu cultivo, mas também em seu trabalho como representante técnico:

“Hoje, vamos dizer assim, é um dos meus pilares no campo como recomendação: é trocar a fonte de potássio. Até porque no nosso caso, da Agro Viva, que trabalhamos com microrganismos, fazendo o controle biológico, é vital pra gente. A nossa tecnologia não funciona sem o K Forte®. Pode até funcionar, mas a gente perde muito em eficiência quando produtor aplica o cloreto. Pra mim hoje é indiscutível, é vital: eu recomendo todos os dias. Não desisto, o produtor que não concorda eu levo informação, mostro quem já usou, a gente está sempre buscando agregar esse tipo de informação.”

Veja o depoimento completo de Gustavo Moreira:

 

O K Forte® ajuda a melhorar a microbiota do solo e o manejo nutricional

A experiência de Gustavo Moreira mostra que o uso do K Forte® ajuda a melhorar a microbiota do solo, já que ele é um fertilizante multinutriente sem cloro. Além disso a presença de elementos como silício e dos nutrientes magnésio e manganês ajuda a tornar o manejo nutricional da lavoura mais completo.

KForte_BannerBlog