Silício no café entenda quais os benefícios para a cultura

Silício no café: entenda quais os benefícios para a cultura

Manter um bom equilíbrio entre sanidade, qualidade e produtividade do café ainda é um desafio para muitos cafeicultores, já que nem todas as práticas agrícolas são capazes de favorecer esses três aspectos simultaneamente. Entretanto, pesquisas recentes têm identificado uma possível solução para esse dilema: a aplicação do silício no café. Entenda mais quais os benefícios desse nutriente para a cafeicultura!

Por que aplicar silício no café?

Desde 2015, o silício é reconhecido pela comunidade científica como um elemento benéfico por oferecer diversos benefícios para crescimento, proteção e metabolismo de diversas culturas, incluindo o café.

O aumento do fornecimento de silício em algumas culturas tem resultado em incrementos significativos no crescimento e na produtividade, especialmente em condições de estresses bióticos, como pragas e doenças, ou abióticos, como o déficit hídrico.

Esses resultados são um reflexo das mudanças morfológicas, bioquímicas e fisiológicas promovidas pelo silício nas plantas, que favorecem diretamente ou indiretamente diversos aspectos relacionados à sanidade, qualidade e produtividade das lavouras. São eles:

1. Melhoria da estrutura da planta

Quando o silício é absorvido de forma passiva pelas plantas de café, ele é capaz de conferir às membranas celulares uma maior integridade, rigidez e estabilidade.

Esse fortalecimento dos tecidos vegetais permite que as plantas consigam manter as suas folhas mais eretas, as células das plantas mais íntegras e sem rompimentos em casos de congelamento e ajudam a evitar a perda excessiva de água pelo processo de transpiração.

Dessa forma, o cafezal consegue ter um melhor desempenho em condições de baixa disponibilidade hídrica, com danos menos severos no caso das geadas e com um melhor aproveitamento da radiação solar e conversão de fotoassimilados, que serão transportados para os frutos.

No estudo Aspectos anatômicos e fisiológicos de mudas de cafeeiro(Coffea arabica l.) com cercosporiose (Cercospora coffeicola berk. & cook.) adubadas com ácido silícico, Deila Magna dos Santos Botelho e outros pesquisadores ressaltaram que alguns autores identificaram tais efeitos em mudas de cafeeiro submetidas a adubações com fontes de silício.

Nas plantas tratadas com o silício, houve:

  • Aumento da cera epicuticular nas folhas;
  • Aumento da espessura da epiderme adaxial;
  • Mudança na funcionalidade dos estômatos;
  • Maior conteúdo de lignina.

 

O silício traz muitas vantagens e benefícios para a estrutura das plantas.

2. Favorecimento da absorção de outros nutrientes

O silício também é capaz de favorecer a absorção de outros nutrientes, ao estimular o crescimento do sistema radicular e influenciar algumas características do meio externo.

O efeito de estimulação do crescimento de raízes proporcionado pelo silício confere à planta uma maior capacidade de extensibilidade da parede celular na zona de crescimento radicular. Assim, as plantas conseguem explorar um maior volume do solo para absorção de nutrientes.

O melhor aproveitamento dos nutrientes do solo também é favorecido pela redução da presença de metais tóxicos, como o alumínio e o cádmio, e o aumento da disponibilidade de alguns nutrientes, como o fósforo.

No artigo Aluminium/silicon interactions in conifers, Hodson e Sangster explicam que o alumínio e o silício podem formar hidroxialuminossilicatos (HAS), levando à redução dos sintomas de toxicidade e favorecendo o desenvolvimento da planta.

O método de atuação sobre o cádmio também acontece de forma similar, já que o silício possui uma extrema afinidade por esse elemento. Por isso, os níveis de cádmio das plantas são menores quando a adubação silicatada é feita de forma adequada.

Já no artigo Silício e disponibilidade de fósforo no crescimento e desenvolvimento de mudas de café, Luiz Henrique Campos de Almeida e outros pesquisadores observaram que a adubação com silício aumentou significativamente a quantidade de fósforo disponível no solo e nos tecidos vegetais das mudas.

A maior disponibilidade de fósforo para as plantas acontece devido à capacidade que os íons de silício têm para competir e deslocar os íons de fósforo que ficam retidos (adsorvidos) na superfície dos coloides do solo.

Como também, a capacidade de realizar reações químicas de troca com os fosfatos, como os fosfatos de ferro e alumínio, que também favorece o aumento dos teores de fósforo na solução do solo.

3. Ativação dos mecanismos naturais de defesa das plantas

A sanidade da lavoura também pode ser favorecida pela aplicação de doses adequadas de silício nas plantas, já que esse elemento atua na ativação dos mecanismos naturais de defesa da planta contra estresses bióticos, ocasionados por pragas e doenças.

Como o café não é uma cultura acumuladora de silício, ele é mais favorecido pelo benefício do silício em aumentar metabolismo secundário das plantas e elevar a concentração de compostos de defesa. Um exemplo são os compostos fenólicos e enzimas como as quitinases e peroxidases.

No trabalho Aplicação de silício e fungicidas na cultura do café arábica, Mauricio Antonio Cuzato Mancuso constatou a redução da incidência de cercosporiose e da ferrugem do cafeeiro com a aplicação do silício, associada a maior atividade das enzimas polifenoloxidase e peroxidase.

Essa resposta bioquímica mais eficiente da planta também foi verificada no caso dos nematoides. No artigo Biochemical responses of coffee resistance against Meloidogyne exigua mediated by silicon, o Dr. Fabrício e seus colegas concluíram que a redução da capacidade reprodutiva do nematoide nas raízes, esteve associada ao aumento:

  • Da produção de lignina;
  • Da atividade das enzimas peroxidase de fenóis (POX), polifenoloxidase (PPO) e fenilalanina amonialiase (PAL), que estão ligadas à síntese da lignina, à qualidade da bebida do café e ao metabolismo da amônia, respectivamente.

A principal vantagem da redução da incidência de pragas e doenças, além da redução de custos com métodos de controle, está associada a produtividade e qualidade das lavouras. Plantas saudáveis, com boa folhagem e com grãos uniformes conseguem sustentar uma produção em níveis adequados e favorecer a qualidade da bebida do café.

Mas, como o silício deve ser usado na cultura do café?

Como usar silício nas plantas?

O uso de silício no café apresenta uma melhor relação de custo-benefício ao se fazer sua aplicação no solo. Isso porque o café é uma cultura que permanece no campo por vários anos.

A aplicação via solo garante um efeito residual mais prolongado do silício, proporcionando um manejo mais efetivode estresses bióticos e abióticos e ainda melhorando o efeito de alguns benefícios, como o controle de nematoides.

Entretanto, é importante ressaltar que a escolha da fonte de silício pode ter um grande impacto nos resultados obtidos a campo, sendo recomendado o uso principalmente dos fertilizantes produzidos a partir de minerais silicáticos.

Compartilhe esta publicação