Enxofre Como Inseticida_ Como Ele Pode Ser Um Aliado No Controle De Pragas

Enxofre como inseticida: como ele pode ser um aliado no controle de pragas

O enxofre pode ser considerado um dos primeiros inseticidas utilizados pelo homem:  existem relatos do seu uso no controle de ácaros e insetos pelos antigos sumérios que datam de 2.500 anos antes de Cristo. Mas o que faz com que ele tenha essa característica?  Conheça mais sobre o potencial do enxofre como inseticida e como ele pode ser considerado um importante aliado no controle de pragas na agricultura!

O controle de pragas com enxofre e o uso de enxofre como inseticida

O uso do enxofre na agricultura muitas vezes é somente associado à sua importância nutricional para a lavoura, uma vez que ele exerce funções essenciais para o desenvolvimento e qualidade das plantas.

De fato, na última década o enxofre foi um dos protagonistas para o aumento dos rendimentos de culturas de grande importância econômica, como a soja e o milho. É o que explica o pesquisador Áureo Lantmann, no artigo Uso do enxofre nas lavouras de soja.

Mas, você sabia que a aplicação do enxofre pode ir muito além do seu papel como fertilizante?

Esse nutriente também pode ser um importante aliado no controle de pragas agrícolas: graças a diversos mecanismos, ele tem propriedades que fazem com que se possa fazer o uso do enxofre como inseticida.

Atualmente, a utilização do enxofre no Manejo Integrado de Pragas (MIP) pode ser uma ferramenta valiosa no controle de diferentes espécies de pragas de culturas importantes para o agronegócio.

É o que apresentam os docentes Dr. Julio César Guerreiro e o Dr. Antônio Carlos Busoli, no artigo Enxofre com inseticida – Alternativa contra as lagartas, publicado na Revista Campo e Negócios.

Veja a seguir quais mecanismos fazem com que o enxofre seja efetivo no controle de pragas:

1. O enxofre participa da produção de compostos de defesa das plantas

Naturalmente, a planta apresenta diversos mecanismos para superar condições de estresse biótico, que é aquele tipo de estresse causado por organismos vivos.

Para superar essas condições adversas, as plantas são capazes de produzir, por exemplo, diversas substâncias em resposta ao ataque de pragas, que podem ter um efeito positivo na maior atração de inimigos naturais, repelência dos insetos-praga ou até mesmo inseticida.

Acontece que a síntese de grande parte dessas substâncias depende, dentre outros fatores, da presença do enxofre. Isso porque o enxofre é um elemento estrutural de diversos compostos orgânicos, incluindo daqueles produzidas pelas plantas em condições de estresse.

No artigo Milestones in plant sulfur research on sulfur-induced-resistance (SIR) in Europe, a pesquisadora Elke Bloem e seus colegas relatam que um fornecimento adequado de enxofre está associado com maiores concentrações de cisteína, glutationa, sulfeto de hidrogênio (H2S) e glucosinolatos em culturas de Brassica (gênero botânico que inclui espécies como a couve, a couve-flor, o nabo e a couve-de-bruxelas).

E, quando esses compostos são produzidos em quantidades adequadas, a planta ganha não somente uma maior proteção antecipada contra-ataques, mas também consegue ser capaz de ativar de forma mais rápida e intensa os seus mecanismos de defesa.

2. O enxofre pode favorecer a maior eficiência do controle com inseticidas e inimigos naturais

Diversos fatores podem interferir no controle de pragas com inseticidas, como a regulagem dos equipamentos, a escolha correta de produtos químicos e o próprio manejo da lavoura no campo.

Entretanto, quando se trata do controle de pragas, um dos principais aspectos que podem impactar a eficiência do insumo a campo é o próprio modo de ação de inseticida.

Alguns tipos de inseticidas dependem de contato direto com o inseto-alvo para agirem sobre eles. Sendo que esse mesmo princípio vale para o uso de agentes de controle biológico. E é nesse ponto que o enxofre pode contribuir para uma maior eficiência do controle de pragas.

O enxofre pode ser considerado um elemento com efeito desalojante, capaz de proporcionar a maior movimentação das pragas na lavoura. Isso porque ele é capaz de liberar gases maléficos aos insetos, como o gás sulfídrico.

Assim, a maior movimentação das pragas proporciona, consequentemente, um contato mais rápido com o inseticida aplicados ou mesmo com os inimigos naturais presentes na lavoura.

No estudo Eficiência de inseticidas associados a enxofre no controle de Spodoptera frugiperda em milho convencional, Julio César Guerreiro e outros pesquisadores observaram que a utilização de enxofre reduziu a presença de lagartas-do-cartucho nas plantas de milho.

Além disso, em adição com inseticidas, esse nutriente apresentou resultados positivos no aumento da eficiência de controle.

Como, então, o enxofre pode ser aplicado na lavoura de forma a favorecer os seus diferentes mecanismos de controle de pragas?

A aplicação do enxofre para o controle de pragas

Para que a aplicação do enxofre para o controle de pragas ocorra de forma eficiente, um dos princípios que devem ser respeitados pelos agricultores é a sua inclusão dentro do Manejo Integrado de Pragas (MIP).

O MIP é um conceito criado na década de 60, utilizado para denominar o conjunto de medidas que visam manter as pragas agrícolas abaixo do nível de dano econômico (NDE). Isso porque, raramente, o uso de apenas uma medida de controle será suficiente para causar a supressão e o controle da praga de forma efetiva por longos períodos de tempo.

Dessa forma, é essencial que o agricultor encontre um equilíbrio entre as diferentes técnicas de manejo de pragas inclusas no MIP, como:

  • Controle comportamental;
  • Controle biológico;
  • Controle genético;
  • Controle químico;
  • Controle varietal;
  • Controle cultural.

 

A diversificação da produção, por exemplo, é uma das medidas que ajudam no controle de pragas.

Além disso, também é possível ir além do controle de pragas e doenças e favorecer outros aspectos do manejo produtivo, quando o enxofre é aplicado na forma de enxofre elementar.

Frente às demais fontes de enxofre disponíveis no mercado, o enxofre elementar é capaz de favorecer não somente o controle de pragas, mas também o controle de doenças através produção de substâncias tóxicas e interferência no metabolismo do agente fitopatogênico.

É o que explicam os pesquisadores J.S. Williams e Richard Cooper, no artigo The oldest fungicide and newest phytoalexins – a reappraisal of the fungitoxicity of elemental S.

Além disso, o seu longo efeito residual na lavoura e liberação progressiva de nutrientes também beneficiam uma melhor nutrição de plantas. Isso porque essas duas características do enxofre elementar reduzem as perdas de nutrientes por lixiviação e melhoram o equilíbrio deles no solo.

Entretanto, é importante ressaltar que a expressão desses benefícios depende do tamanho da partícula do enxofre elementar escolhido pelo agricultor, que pode ser granulada, pastilhada ou micronizada. Sendo esta última a mais recomendada.

O enxofre é uma ferramenta indispensável dentro do manejo integrado de pragas

Em resumo, há muito tempo é reconhecido o uso do enxofre como inseticida. Assim, esse nutriente pode ser considerado uma ferramenta indispensável dentro do manejo integrado de pragas, por proporcionar a indução dos mecanismos de defesa da planta e favorecer outras medidas de controle, como o controle biológico e o químico.

E, ao optar pela aplicação do enxofre na sua forma elementar micronizada, o agricultor consegue favorecer não apenas o controle de pragas e doenças, mas como também melhorar a nutrição da sua lavoura!

Compartilhe esta publicação