Entenda Por Que Fertilizantes Multinutrientes Podem Ajudar A Produzir Mais E Com Mais Qualidade

Entenda por que fertilizantes multinutrientes podem ajudar a produzir mais e com mais qualidade

Como produzir mais e com mais qualidade? Essas são as duas perguntas que o agricultor precisa se fazer frequentemente para que a sua lavoura e o seu negócio sejam mais rentáveis. Para isso, ter em mente a importância dos micronutrientes e dos fertilizantes é essencial.

Os nutrientes mais exigidos pelas plantas são o Nitrogênio (N), Fósforo (P) e Potássio (K), a tríade NPK. Além do NPK, elas também requerem nutrientes secundários como cálcio, magnésio e enxofre.

Existem ainda nutrientes que são demandados em menor quantidade, os micronutrientes. São eles: boro, cobre, cloro, ferro, manganês, molibdênio e zinco. Eles participam de processos importantes do ciclo de vida das plantas, como formação de enzimas, síntese de clorofila e do DNA e outros processos metabólicos.

Justamente pela pequena demanda, muitas vezes, os micronutrientes são negligenciados na nutrição das safras. Mas afinal, eles importam ou não?

A Lei dos Mínimos e o papel dos micronutrientes

Em 1842, após estudar plantações e os trabalhos de Carl Sprengel, o alemão Justus Liebig criou a Lei dos Mínimos. O químico alemão formulou o seguinte postulado:

“O sucesso de um organismo em um meio ambiente depende de que nenhum fator de sobrevivência exceda seu limite de tolerância”, ou seja, para que um indivíduo sobreviva, deve ter à disposição todos os elementos necessários para tal.

Logo, não adianta haver excesso se um estiver em falta. Liebig ainda concluiu que “o organismo não é mais forte que o elo mais fraco de sua cadeia ecológica de necessidades”.

Para chegar até a Lei dos Mínimos, Liebig observou o crescimento de plantas e percebeu que mesmo recebendo água e dióxido de carbono em quantidades suficientes para o desenvolvimento, algumas delas não sobreviviam.

Estudando mais a fundo, ele descobriu que, apesar de dispor de elementos mais que suficientes, o crescimento das plantas estava limitado a elementos em quantidades mínimas.

Uma imagem que pode ajudar a entender a Lei dos Mínimos, que pode ser aplicada a todo ser vivo para a manutenção do seu ciclo vital é a seguinte: imagine um barril feito com ripas de tamanhos diferentes: o máximo de água que ele poderá conter é a altura da menor ripa.

Entenda Por Que Fertilizantes Multinutrientes Podem Ajudar A Produzir Mais E Com Mais Qualidade - Nutrientes

Representação da Lei dos Mínimos: a produtividade de uma lavoura é limitada pelas quantidades mínimas dos nutrientes dos quais as plantas precisam

Ou seja, se um nutriente específico estiver em falta, por menor que seja a quantidade demandada, essa falta irá limitar o bom desenvolvimento da cultura.

O Dr. Valter Casarin, Doutor em Ciência do Solo pela École Supérieure Agronomique de Montpellier (França) e professor na ESALQ/USP, explica que muitas vezes os agricultores identificam problemas nas culturas com a falta de macronutrientes e, na tentativa de supri-los, acabam fornecendo-os em excesso em seu planejamento de manejo.

Isso acaba provocando desequilíbrios nos micronutrientes e prejudicando as plantações:

A importância dos fertilizantes fontes de micronutrientes

O bom uso de novas tecnologias de nutrição, como os fertilizantes que contém mais de um nutriente é uma solução que o agricultor deve considerar em seu planejamento do manejo do solo.

O papel dos fertilizantes é fornecer nutrientes para o desenvolvimento das plantas. Eles fazem isso repondo elementos essenciais presentes no solo e que são exportados para as plantas.

Uma vez que a Lei dos Mínimos diz que a eficiência produtiva da lavoura está limitada ao fornecimento adequado de todos os nutrientes, incluindo os micronutrientes, é importante que as fontes de nutrição sejam o mais completas possível.

Eduardo Coelho, engenheiro agrônomo e sócio-diretor da Cientia, empresa de consultoria agrícola de sucesso no Brasil, fala sobre como o uso de fertilizantes multinutrientes ajuda a lavoura a produzir mais e com mais qualidade: https://www.youtube.com/watch?v=ff8-FjrDJiI&feature=youtu.be

O silício e os elementos-traço

Extrapolando o contexto dos macro e micronutrientes, existem os elementos-traço. Necessários em quantidades pequenas, eles são utilizados pelas plantas na formação de enzimas e compostos orgânicos. Alguns exemplos de elementos-traço são o cobre, o ferro, o zinco e o manganês.

Além disso, o silício é um caso especial, uma vez que diversos estudos indicam que ele tem um papel muito importante em diversos processos do ciclo de vida das plantas, contribuindo para o aumento da resistência a pragas e doenças, bem como da resistência ao estresse hídrico.

Assegurar que o solo tenha quantidades suficientes desses elementos contribui para que a lavoura tenha maiores taxas de produtividade, bem como os alimentos sejam mais nutritivos e saudáveis.

Alimente o solo primeiro!

O K Forte® é um fertilizante que além de ser fonte de potássio, também nutre o solo silício, magnésio, cobalto, zinco e manganês, macro e micronutrientes que são fundamentais para manter a saúde do solo e melhorar a produção.

Além disso, o K Forte® é livre de cloro e dos impactos negativos que ele tem sobre os microrganismos do solo. Graças à sua matéria-prima, o siltito glauconítico, que é rico em glauconita o K Forte® também não lixivia e melhora a estrutura do solo.

O melhor caminho para assegurar o desenvolvimento das plantas é tratar o solo. Pense além do NPK, utilize produtos de qualidade, ricos em nutrientes diversificados, que preservem a matéria orgânica. Diminua a aplicação de fertilizantes clorados e que são facilmente lixiviados provocando alterações na estrutura natural do solo.

Não cultive para ter sucesso apenas na próxima colheita. Pense em longo prazo.

Compartilhe esta publicação