Conheça As Principais Fontes De Enxofre Na Adubação E Quais São Suas Vantagens

Conheça as principais fontes de enxofre na adubação e quais são suas vantagens

Atualmente, o enxofre tem se tornado um nutriente limitante na produtividade das culturas agrícolas, muito mais do que no passado. Essa afirmação dos pesquisadores Silvia Regina Stipp e Valter Casarin, no artigo A importância do enxofre na agricultura brasileira, coloca em evidência a importância cada vez maior que a adubação sulfatada está ganhando no Brasil. Conheça a seguir as principais fontes de enxofre na adubação e quais são suas vantagens para a lavoura!

A importância do enxofre na agricultura

De maneira geral, o enxofre é o 4º nutriente mais absorvido pelas plantas e vem protagonizando o aumento dos rendimentos de culturas agrícolas de grande importância econômica na última década, como a soja e o milho.

O impacto positivo do enxofre no rendimento das lavouras estabelece uma relação direta com as diversas funções que ele desempenha nas plantas, com destaque para a sua participação no metabolismo vegetal e para indução da resistência das plantas aos estresses abióticos e bióticos.

O enxofre faz parte de elementos estruturais e metabólicos, que estão envolvidos em processos de respiração, de crescimento, síntese de vitaminas e proteínas, mecanismos de resposta a estresses oxidativos e resistência ao frio.

 

O enxofre é um nutriente fundamental para a agricultura por conta das funções que desempenha.

Estudos indicam que a boa nutrição com enxofre já comprovou os seus efeitos benéficos em diversas culturas, como:

  • Banana, com o aumento da velocidade de emissão das folhas e o favorecimento da produtividade e qualidade dos frutos;
  • Pastagens, com o aumento da produção da matéria seca e melhoria da qualidade para alimentação animal;
  • Soja e milho, com a elevação dos níveis de produtividade e de qualidade dos grãos;
  • Arroz, com a promoção do crescimento, perfilhamento e a produtividade do arrozal;
  • Citros, com o aumento da retenção dos frutos e do número de frutos;
  • Café, com o aumento da produtividade e o acúmulo de matéria seca;
  • Algodão, com a melhoria do rendimento e qualidade das fibras;
  • Cana-de-açúcar, com a melhoria da qualidade e produtividade;
  • Eucalipto, com a promoção do crescimento das árvores.

Mas, quais são as principais fontes de enxofre na adubação agrícola? E quais são as suas vantagens nos sistemas de produção?

Quais são as principais fontes de enxofre na adubação?

Existem diversas fontes de enxofre na adubação agrícola. Entre as principais disponíveis no mercado, estão o enxofre elementar, o sulfato de potássio, o gesso agrícola, o super simples e o sulfato de amônio.

Cada uma dessas fontes tem características próprias, sendo elas:

  • Enxofre elementar (granulado, pastilhado e micronizado)

O enxofre elementar é uma fonte de enxofre composta por 90% de enxofre, quando na forma granulada e pastilhada; e por 99% de enxofre, quando em sua forma micronizada.

Essa diferença de concentração de enxofre é observada porque tanto na forma granulada quanto pastilhada, o enxofre elementar é misturado com um tipo de argila chamada bentonita.

Diferentemente das fontes convencionais de enxofre, o enxofre elementar precisa passar por um processo de oxidação realizado pelos microrganismos para ser disponibilizado para o solo.

Por isso, uma das maiores vantagens dessa fonte de enxofre está na liberação progressiva de enxofre, tornando-o disponível no solo durante todo o ciclo da lavoura e reduzindo o efeito de lixiviação dos nutrientes.

Essa liberação prolongada de nutrientes, associada ao seu baixo índice salino, também diminui a necessidade de parcelamento na hora da aplicação.

Contudo, dependendo da forma do enxofre elementar pode haver uma maior ou menor eficiência a campo. Sendo que aquela que mais se destaca é o enxofre elementar micronizado, matéria prima do BAKS®, fertilizante multinutriente da Verde Agritech.

O enxofre elementar micronizado tem a vantagem de apresentar mais eficiência agronômica, podendo ser dispersado de maneira mais homogênea e possuir maior área de contato com o solo e microrganismos do solo.Efeito Da Interação Para O Número De Vagens De Soja Por Planta (A), Número De Grãos Por Planta (B) E Rendimento De Grãos Por Vaso (C) Com Diferentes Níveis E Fontes De S (S Elementar Pastilhado – Espa E S Elementar Micronizado – Espo)

Efeito da interação para o número de vagens de soja por planta (A), número de grãos por planta (B) e rendimento de grãos por vaso (C) com diferentes níveis e fontes de S (S elementar pastilhado – ESPA e S elementar micronizado – ESPO). (Fonte: IBANEZet al, 2021)

  • Sulfato de potássio

O sulfato de potássio é um fertilizante químico muito utilizado para repor as demandas imediatas de potássio e enxofre das culturas agrícolas, contendo cerca de 50% de potássio sob a forma de K2O e 17% de enxofre sob a forma SO42-.

Essa fonte de enxofre apresenta alta solubilidade em água, o que faz com que esses nutrientes estejam prontamente disponíveis para as plantas.

Contudo, o uso desse fertilizante requer alguns cuidados, já que ele tem uma boa mobilização vertical no solo. Mobilidade esta que aumenta o potencial dessa fonte de nutrientes em sofrer perdas por lixiviação.

Além disso, o sulfato de potássio tem um índice salino de 46%, que é considerado alto. Assim, é necessário que o agricultor esteja atento na hora da aplicação, realizando por exemplo o parcelamento na hora da aplicação.

Esse parcelamento pode trazer um aumento nos custos operacionais do manejo, além dos custos de aquisição desse insumo, que geralmente é alto.

  • Gesso agrícola

Apesar de ser mais comumente utilizado como um condicionador de perfil do solo, o gesso agrícola também é outra opção de fonte de enxofre disponível no mercado com cerca de 14% a 17% de enxofre em sua composição.

Considerando esses dois aspectos, a principal vantagem da aplicação do gesso agrícola como fonte de enxofre está associada à capacidade adicional de mitigar os efeitos negativos do excesso de elementos tóxicos no solo, como o alumínio. Isso permite que as plantas desenvolvam um sistema radicular mais robusto.

Porém, quando pensado como uma fonte de enxofre, assim como o sulfato de potássio, o gesso agrícola também tem problemas de lixiviação do enxofre e nem sempre vai apresentar uma boa relação custo x benefício. Isso porque ele possui um custo elevado em algumas regiões do país, como o Cerrado.

É o que observa o professor do Departamento de Ciência do Solo da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (ESALQ/USP), Dr. Godofredo Cesar Vitti, no artigo Manejo do Enxofre na Agricultura.

  • Super simples (SSP)

O super simples (SSP) é um fertilizante composto por três nutrientes muito importantes para o ciclo de vida das plantas, com cerca de 20% de fósforo (sob a forma de P2O5), 20% de cálcio e 12% de enxofre.

Nessa fonte de enxofre, as formas como o fósforo, o cálcio e o enxofre são encontrados estão prontamente disponíveis para o consumo das plantas.

Mas, essa alta disponibilidade está associada à alta solubilidade do enxofre presente no SSP, o que também o torna mais suscetível a perdas por lixiviação. Isso faz com que o agricultor perca parte daquilo que coloca no solo, levando a prejuízos a longo prazo.

E, da mesma forma que o sulfato de potássio e o gesso agrícola, o super simples pode ter um custo elevado, já que o ponto de enxofre dele acaba sendo mais caro proporcionalmente para o agricultor.

  • Sulfato de amônio (SAM)

Também conhecido como SAM, o sulfato de amônio é composto por cerca de 22 a 24% de enxofre sulfatado e 20% de nitrogênio na forma amoniacal.

O sulfato de amônio disponibiliza o nitrogênio e o enxofre nas formas de amônio (NH4+) e sulfato (SO42-), respectivamente.

O enxofre sulfatado, embora esteja na forma que as plantas conseguem absorver esse elemento, tem uma alta mobilidade no perfil solo. Isso faz com que ele esteja mais suscetível a ser perdido para as camadas mais profundas do solo.

E mesmo a presença do nitrogênio na sua composição faz com que o SAM tenha um alto potencial para acidificar o solo. Isso porque o amônio (NH4+) pode ser transformado em nitrato (NO3-), pela ocorrência do processo de oxidação chamado nitrificação.

Além disso, o alto índice salino do sulfato de amônio, de 69%, faz com que haja a necessidade de aplicação em parcelamentos, para evitar os principais problemas relacionados a salinização do solo.

Frente as diferentes opções de enxofre disponíveis no mercado, como escolher a melhor fonte de enxofre para a lavoura?

Qual fonte de enxofre usar nas plantas?

Para entender qual a melhor fonte de enxofre para usar nas plantas, o agricultor deve se observar algumas características principais que podem influenciar no desempenho dos fertilizantes sulfatados e nas suas vantagens para as áreas produtivas, como:

Os fertilizantes de liberação progressiva, como o enxofre elementar micronizado por exemplo, são menos sujeitos à lixiviação e não exigem parcelamento. Vantagens estas que ajudam na construção e manutenção da fertilidade do solo e no melhor desempenho financeiro da propriedade a longo prazo.

Dessa forma, a escolha assertiva da fonte de enxofre pode se tornar um ponto decisivo para o agricultor colher os diversos benefícios positivos do enxofre na sua lavoura!

Compartilhe esta publicação