As limitações do ácido bórico na agricultura

As limitações do ácido bórico na agricultura

O ácido bórico é um fertilizante usado como fonte de um micronutriente muito importante e requerido nas fases de crescimento e desenvolvimento vegetativo, florescimento e maturação da planta: o boro. Entretanto, mesmo sendo uma das fontes mais concentradas desse nutriente, ele apresenta algumas limitações que reduzem a rentabilidade e potencial produtivo das lavouras.

A disponibilidade de boro no solo

O boro é um micronutriente aniônico, absorvido pelas raízes das plantas na forma de ácido bórico neutro (B[OH]3) e como borato (B[OH]4-). No ciclo de desenvolvimento vegetal, ele tem um papel essencial, estando presente:

⦁ Na síntese e estrutura da parece celular;
⦁ Nos complexos estáveis da membrana plasmática;
⦁ Na germinação de pólen e alongamento de tubo polínico.

 

Ver esta publicação no Instagram

 

Uma publicação partilhada por Verde AgriTech (@verdeagritech)

O boro é essencial para o desenvolvimento das plantas

De forma natural, o boro é encontrado na matéria orgânica e na própria água usada para a irrigação das culturas, sendo seus limites estabelecidos na tabela a seguir:

Tolerância das plantas às concentrações de boro na água de irrigação (Fonte: MAAS, 1990)

Tolerância das plantas às concentrações de boro na água de irrigação (Fonte: MAAS, 1990)

Além da matéria orgânica, fatores como a escassez de água, pH e altos teores de ferro e alumínio influenciam diretamente a presença e disponibilidade de boro no solo. Além disso, em solos muito alcalinos ou muito ácidos, por exemplo, esse micronutriente apresenta uma menor disponibilidade.

Porém, somente a aplicação de fontes de boro não garante o suprimento adequado da demanda nutricional da planta. Isso acontece porque esse micronutriente apresenta certas especificidades para garantir o seu bom desempenho.

Uma das principais razões que dificulta um bom desempenho da adubação de boro no sistema solo-planta é a reduzida faixa entre dosagens que levam a deficiência ou a toxicidade.

É o que afirmam Renato de Melo, PradoWilliam Natale e Danilo Eduardo Rozane no artigo Níveis críticos de boro no solo e na planta para cultivo de mudas de maracujazeiro-amarelo.

Na cultura do eucalipto, a deficiência de boro gera a perda da dominância apical e consequentemente leva ao superbrotamento. (Fonte: SILVEIRA et al., 2001)

Na cultura do eucalipto, a deficiência de boro gera a perda da dominância apical e consequentemente leva ao superbrotamento. (Fonte: SILVEIRA et al., 2001)

O boro ainda apresenta uma relação de antagonismo com alguns nutrientes essenciais. Isso significa que o aumento da concentração de boro nas plantas pode diminuir a concentração de outros nutrientes, como:

⦁ Fósforo;
⦁ Cálcio;
⦁ Ferro.

Uma das formas de nutrir o solo com boro é a utilização do ácido bórico. Mas, quais são as limitações do ácido bórico no solo?

As limitações do ácido bórico

O ácido bórico é um fertilizante solúvel, encontrado na forma de cristais incolores ou como um pó branco. Com cerca de 17% de boro na sua composição, ele é considerado uma das fontes mais concentradas e solúveis desse nutriente.

Por ter um alto grau de solubilidade, de cerca de 49 g/L (gramas por litro) a 20º C, o ácido bórico consegue disponibilizar o boro mais rapidamente para as plantas. Porém, isso traz um problema: a lixiviação e a fitoxicidade.

A lixiviação acontece quando os nutrientes se perdem para as camadas mais profundas do solo, em decorrência do excesso de chuvas ou da irrigação mal planejada. Esse processo, além de reduzir o custo-benefício do ácido bórico a longo prazo, pode inclusive tornar a adubação com fertilizantes altamente solúveis ineficiente.

No artigo Solubilidade e mobilidade de fertilizantes boratados em condições controladas, a pesquisadora Cleide Aparecida de Abreu do Instituto Agronômico de Campinas, destaca que quando ocorre a lixiviação, o solo acaba ficando deficiente em boro, mesmo que o fertilizante tenha sido aplicado.

Já a fitotoxicidade está relacionada com a presença excessiva de nutrientes nas plantas, o que causa efeitos indesejados que comprometem a qualidade e produtividade das culturas. Como o boro é muito pouco móvel na planta, os sintomas se concentram nas folhas mais velhas da planta e em regiões em que ocorre uma maior transpiração.

Segundo a Embrapa, os casos de fitoxicidade por boro revelam sintomas visuais, como:

⦁ Manchas pardas nas margens das folhas, que podem progredir para eventuais necroses;
⦁ Pontuações internervais;
⦁ Encarquilhamento das folhas mais velhas;
⦁ Encurtamento dos internódios;
⦁ Morte da gema apical.

A elevada solubilidade associada à alta concentração do ácido bórico, tornam a definição da dosagem adequada uma tarefa difícil, uma vez que existe uma faixa muito estreita entre dosagens que levam à deficiência ou à toxicidade por boro.

Além disso, a alta disponibilidade inicial pode provocar sintomas de toxidez em culturas susceptíveis e em estágios iniciais de desenvolvimento, conforme relatado na dissertação de mestrado Adubação boratada em pomar de laranja pêra rio afetado pela clorose variegada dos citros, da pesquisadora Isabela Rodrigues Bologna.

Sintomas de toxicidade de boro em plantas que receberam 170 mg (esquerda) e 88 mg (direita) de boro. Na maioria das culturas, os sintomas de toxicidade de boro aparecem quando a concentração supera 250 a 300 mg.kg-1 de matéria seca

Sintomas de toxicidade de boro em plantas que receberam 170 mg (esquerda) e 88 mg (direita) de boro. Na maioria das culturas, os sintomas de toxicidade de boro aparecem quando a concentração supera 250 a 300 mg.kg-1 de matéria seca (Fonte: SESTREN. J. A. e KROPLIN, R. – 2009)

Então, é possível mitigar essas limitações do ácido bórico?

Como superar os desafios da adubação bórica

A fim de garantir um bom desempenho da adubação bórica, é preciso controlar os diversos fatores que afetam a dinâmica do boro no sistema solo-planta. Para isso, garantir níveis adequados de todos os nutrientes no solo, realizar a correção do pH e neutralização do alumínio, com práticas como a calagem, são essenciais para garantir uma boa eficiência da adubação.

Além disso, é preciso considerar outras possíveis fontes de boro, uma vez que o ácido bórico é facilmente afetado pelo processo de lixiviação e com potencial para causar efeitos de fitoxicidade.

Dentre elas, destacam-se os fertilizantes que tem a ulexita como matéria-prima. Ela permite que o agricultor tenha uma fonte de boro com liberação gradual de nutrientes que reduz lixiviação e fitotoxidez, favorecendo a produtividade e rentabilidade do agronegócio.