28-01-2021_Qual a melhor fonte de enxofre para adubação em sistemas de soja e milho

Qual a melhor fonte de enxofre para adubação em sistemas de soja e milho?

Como ter mais aproveitamento da adubação de enxofre em sistemas de rotação de soja e milho? Essa pergunta deve ser feita pelos agricultores que querem ter mais rendimento e qualidade em suas lavouras, uma vez que esse elemento é importante para o desenvolvimento das plantas. E a resposta está na escolha do fertilizante utilizado.

Por que é importante fazer a adubação com enxofre?

O enxofre é um elemento envolvido em processos essenciais no ciclo de vida das plantas. Isso porque ele faz parte de elementos estruturais e metabólicos, como os aminoácidos cisteina, cistina, metionina e taurina . Assim, ele acaba estando presente nas proteínas e enzimas vegetais.

Os chamados metabólitos, dos quais o enxofre faz parte, estão envolvidos em processos de respiração, de crescimento, síntese de vitaminas e proteínas, mecanismos de resposta a estresses oxidativos e resistência ao frio.

Na soja e no milho, duas culturas que costumam ser utilizadas em sistemas rotacionais de adubação, uma boa nutrição com enxofre eleva os níveis de produtividade e de qualidade dos grãos.

Um estudo da Embrapa Soja realizado em quatro localidades do Brasil, por exemplo, mostrou que a adubação com enxofre teve respostas positivas, aumentando a produtividade em até 500kg/ha-1.

Produção de grãos de soja (kgha), em funções de doses de enxofres, aplicadas no 1º ano, em quatro localidades do Brasil e vários anos (Fonte Sfredo e Kepler, 2004)

Produção de grãos de soja (kg/ha), em funções de doses de enxofres, aplicadas no 1º ano, em quatro localidades do Brasil e vários anos (Fonte: Sfredo e Kepler, 2004)

A soja é uma cultura que extrai mais enxofre do que o milho. Estudos indicam que a quantidade de enxofre extraída pela planta de milho para a produção de uma tonelada é quase quatro vezes menor.

Quantidades médias de nutrientes (em kg1000kg-1) para a produção de uma tonelada de grãos de soja e de milho (Fonte Malavolta, 1980)

Quantidades médias de nutrientes (em kg/1000kg-1) para a produção de uma tonelada de grãos de soja e de milho (Fonte: Malavolta, 1980)

Quando o milho é utilizado no sistema de rotação de culturas junto com a soja, é preciso garantir que haja quantidades suficientes do elemento para que a safra de milho não seja prejudicada.

Por isso, é preciso analisar qual a melhor fonte de enxofre para utilizar na adubação do sistema.

Qual fonte de enxofre utilizar na adubação de sistemas de soja e milho?

Os latossolos e argissolos, que segundo o Sistema Brasileiro de Classificação de Solos Brasileiros (SiBCS), compõem 58% do total dos solos nacionais, são, de maneira geral, pobres em enxofre.

Durante muito tempo, o uso de adubos concentrados mascarou a necessidade de se realizar a nutrição com enxofre nas lavouras.  Entretanto, com a crescente busca por maiores produtividades, a deficiência desse nutriente começou a se mostrar nas plantas.

Hoje, existem diversas opções de fertilizantes de enxofre disponíveis no mercado. Entre as principais, estão o sulfato de potássio, o gesso agrícola, o super simples, o sulfato de amônio e o enxofre elementar. Cada uma dessas fontes tem características diferentes.

  • Sulfato de potássio

O sulfato de potássio tem a vantagem de oferecer potássio e enxofre para o solo, com um índice salino menor que o Cloreto de Potássio (KCl), além de estar prontamente disponível (o que em certas condições é importante, no caso de haver essa necessidade).

Entretanto, mesmo com índice salino mais baixo que o KCl, ele ainda é bastante salino, o que requer cuidados como o parcelamento na hora da aplicação. Por ter boa mobilização vertical no solo ele tem maior potencial de lixiviação. Além disso, sua principal desvantagem é que ele tem um alto custo para o produtor.

  • Gesso agrícola (como fonte de enxofre)

O gesso agrícola usado como fonte de enxofre tem a vantagem de ter também a função de atuar como condicionador do solo, atuando na mitigação dos efeitos negativos do excesso de elementos como o alumínio e permitindo que as plantas desenvolvam um sistema radicular mais robusto.

Entretanto, ele tem um custo muito elevado para o produtor em algumas regiões brasileiras, como estado do Mato Grosso. Além disso, o gesso agrícola também tem problemas de lixiviação do enxofre.

  • Super simples (SS)

O super simples tem a vantagem de ser uma fonte de fósforo e enxofre para as plantas, além de ter também um bom teor de cálcio. É também uma fonte que disponibiliza esses nutrientes de maneira imediata.

Entretanto, assim como no caso do sulfato de potássio, há a maior potencial para lixiviação e pensando no super simples como maneira de nutrição com enxofre, há um custo elevado, já que o ponto de enxofre dele acaba sendo mais caro proporcionalmente.

  • Sulfato de amônio

Entre as principais vantagens do sulfato de amônio está o fato de que de que ele fornece dois elementos para a planta: o enxofre e o nitrogênio; e que ele está prontamente solúvel, ou seja, disponível.

Entretanto, ele tem um alto índice salino, o que faz com que haja a necessidade de aplicação em parcelamentos; potencial para acidificar o solo e facilidade de lixiviação.

  • Enxofre elementar (granulado, pastilhado e micronizado)

O enxofre elementar é uma forma de enxofre que precisa passar por um processo de oxidação para ser disponibilizado para o solo. A vantagem disso é uma liberação gradual, fazendo com que o elemento esteja presente no solo por mais tempo e esteja menos sujeito a lixiviação.

Além disso, ele não tem um nível salino elevado, o que elimina a necessidade de parcelamento na hora da aplicação.

O enxofre elementar granulado tem uma taxa de dispersão e de contato microbiano para a oxidação menor em comparação como enxofre elementar micronizado. Já o enxofre elementar pastilhado, precisa de condições adequadas de umidade para que a argila bentonita se expanda e libere o enxofre para a planta. Ambos também são disponibilizados a um prazo mais longo.

Quando falamos do enxofre elementar micronizado, ele tem a vantagem de ter mais eficiência agronômica, podendo ser dispersado de maneira mais homogênea, ter maior área de contato com os microrganismos e liberação do enxofre gradual, mas mais rápida do que as outras duas formas do enxofre elementar.

Efeito da interação para o número de vagens de soja por planta (A), número de grãos por planta (B) e rendimento de grãos por vaso (C) com diferentes níveis e fontes de S (S elementar pastilhado – ESPA e S elementar micronizado – ESPO). (Fonte IBANEZ, Thiago Bergamini et al, 2021)

Efeito da interação para o número de vagens de soja por planta (A), número de grãos por planta (B) e rendimento de grãos por vaso (C) com diferentes níveis e fontes de S (S elementar pastilhado – ESPA e S elementar micronizado – ESPO). (Fonte: IBANEZ, Thiago Bergamini et al, 2021)

Por que o enxofre elementar micronizado tem mais vantagens?

Pensando em sistemas de rotação de cultura soja e milho, a utilização do enxofre elementar é interessante, principalmente em razão da sua liberação gradual e do seu baixo teor salino. Essas duas características permitem que seja feita apenas uma aplicação antes do primeiro cultivo e o efeito residual do nutriente para a próxima cultura.

Entretanto, de maneira geral, por causa da necessidade de haver a oxidação do enxofre elementar para que o nutriente seja disponibilizado para as plantas, é importante que o produtor tenha em mente alguns cuidados:

  • Avaliar o tipo de solo, pensando em parâmetros como textura, pH, umidade, níveis de compactação (que influenciam na aeração);
  • Temperatura, já que ela tem influência na oxidação;
  • Presença dos microrganismos que irão agir no processo de disponibilização do enxofre.

Mas qual forma do enxofre elementar pode trazer mais vantagens para o agricultor?

Tendo em vista que as formas pastilhada e granulada têm uma liberação mais longa e exigem um pouco mais de atenção na hora da aplicação, o enxofre elementar micronizado traz mais benefícios de uma maneira mais prática.

Além disso, a sua dispersão mais homogênea garante que todas as áreas da lavoura irão receber a mesma quantidade de enxofre, evitando que haja muita concentração em algumas partes e pouca concentração em outras.

BAKS: as vantagens do enxofre elementar micronizado para retomar o controle

O BAKS é a tecnologia de nutrição da Verde que traz pela primeira vez ao agricultor  brasileiro o enxofre elementar micronizado. Para isso, ele conta com a exclusiva Tecnologia Micro S Technology.

Por meio dela, o enxofre elementar pode ter uma elevada performance na lavoura, nutrindo com eficiência, aumentando a produtividade e qualidade e trazendo o melhor custo-benefício para o agricultor.

Além disso, com o BAKS, o agricultor conta com os benefícios do Siltito Glauconítico, como melhorias nas propriedades físicas e químicas do solo e nutrientes como o potássio, silício e magnésio.

Utilize o BAKS em seu sistema de rotação de culturas de soja e milho e retome o controle!