Porque o desempenho do sulfato de potássio na agricultura aponta algumas limitações desse fertilizante

Porque o desempenho do sulfato de potássio na agricultura aponta algumas limitações desse fertilizante

O uso de fertilizantes solúveis com elevados teores de nutrientes, como o sulfato de potássio, tem sido uma prática recorrente para otimizar o manejo nutricional na agricultura. Entretanto, o desempenho do sulfato de potássio vem atrelado a algumas limitações. Entenda mais sobre elas.

A função do sulfato de potássio na agricultura

O sulfato de potássio (K2SO4) é um fertilizante químico, obtido através da combinação do Cloreto de Potássio (KCl) com o ácido sulfúrico (H2SO4) ou com a quieserita (MgSO4.H2O) ou ainda pela neutralização do ácido sulfúrico com o hidróxido de potássio (KOH).

A partir da fórmula química (K2SO4), é possível inferir a função do sulfato de potássio na agricultura: ser uma fonte de potássio e enxofre, dois nutrientes muito importantes para o desenvolvimento e metabolismo das plantas.

Enquanto o potássio (K) é um macronutriente primário envolvido em funções essenciais para o desenvolvimento das plantas, como a fotossíntese e o crescimento celular, o enxofre (S) é um macronutriente secundário ligado principalmente a funções do metabolismo das plantas, como a respiração e a síntese de vitaminas e proteínas.

 

Ver esta publicação no Instagram

 

Uma publicação partilhada por Verde AgriTech (@verdeagritech)

A contribuição dos nutrientes para o metabolismo da planta.

Quando comparado ao Cloreto de Potássio (KCl), o fertilizante potássico mais utilizado na agricultura, o sulfato de potássio apresenta um menor teor de cloro e um menor índice salino por unidade de potássio (K2O), com cerca de 46%.

Ainda assim, seu índice salino é considerado elevado e é responsável pela sua primeira limitação na agricultura: o potencial para salinizar solos.

O que é a salinização e quais são os seus efeitos no solo?

O processo de salinização acontece quando existe uma crescente concentração de cristais salinos no solo. Ele pode ocorrer naturalmente, quando o solo é rico em sais solúveis, denominado salinidade primária, ou pode ser provocado pelas ações humanas, denominado salinidade secundária.

No artigo Influence of Salinity and Water Content on Soil Microorganisms, a pesquisadora Petra Marschner, juntamente com outros colegas, analisou as consequências da alta salinidade e destacou:

  • Redução do potencial de crescimento das plantas;
  • Acidificação do solo;
  • Redução de atividades enzimáticas que levam a perdas de produtividade e rentabilidade;
  • Diminuição das populações de microrganismos do solo.

Como o sulfato de potássio não apresenta um efeito residual de nutrientes no solo, ele precisa ser reaplicado a cada novo ciclo ou fase da cultura. Essas reaplicações levam ao acúmulo crescente de sais no solo que podem levar ao processo de salinização, prejudicando o desenvolvimento das culturas, como explica a Mestre em Produção Vegetal Ana Clara Pimenta:

 

A ausência do efeito residual de nutrientes combinada a elevada solubilidade do sulfato de potássio leva a segunda limitação desse fertilizante: o potencial para sofrer perdas de nutrientes pelo processo de lixiviação.

O que é o processo de lixiviação e quais as suas consequências?

O processo de lixiviação na agricultura é definido geoquimicamente ou geologicamente como qualquer processo de extração ou solubilização seletiva de nutrientes do solo pela ação da água.

Ainda existem alguns fatores que podem potencializar o processo de lixiviação, como:

Fontes muito lixiviáveis trazem consequências a longo prazo para o produtor. Isso porque parte dos nutrientes que são colocados no solo são perdidos, fazendo com que a adubação seja menos eficiente e reduzindo a fertilidade do solo ao longo dos anos.

Como o sulfato de potássio apresenta uma elevada solubilidade, de cerca de 105g/L a 20ºC, ele consequentemente apresenta uma alta mobilização vertical no solo e potencial para perder seus nutrientes para as camadas mais profundas do solo.

A elevada solubilidade também traz consigo outro problema, a disponibilização imediatade praticamente toda a concentração de nutriente presente no fertilizante. Além de ser uma característica que facilita a ocorrência do processo de lixiviação dos nutrientes, isso faz com que a planta tenha um período curtopara absorver os nutrientes independentemente da sua demanda nutricional atual.

Porém, fisiologicamente, as plantas precisam dos nutrientes em diferentes estádios de desenvolvimento e não somente em um momento específico, limitando, assim, o desempenho do potássio e do enxofre.

Quantidades acumuladas totais de macronutrientes no milho em função da época de coleta

Quantidades acumuladas totais de macronutrientes no milho em função da época de coleta. (Fonte: GARCIA, G. O. et al – 2007)

Considerando essas diversas limitações do sulfato de potássio, existem outras possibilidades para nutrição com potássio e enxofre?

Novas tecnologias impulsionaram novas fontes de potássio e enxofre

Mesmo que o sulfato de potássio seja um fertilizante com um teor elevado de potássio e significativo de enxofre, o seu índice salino e potencial para lixiviação inviabilizam o uso intensivo desse fertilizante na agricultura.

Além disso, o alto valor do sulfato de potássio no mercado também limita a viabilidade econômica do uso desse fertilizante. Então, existem alternativas para o agricultor? Com investimento na pesquisa e tecnologias nos últimos anos, novas fontes de potássio e enxofre foram viabilizadas: o Siltito Glauconítico e o enxofre elementar micronizado.

O Siltito Glauconítico é uma fonte potássica multinutriente explorada na região de São Gotardo, em Minas Gerais, que apresenta liberação gradual de nutrientes e um ínfimo índice salino de 0,17%.

Enquanto a tecnologia de micronização do enxofre elementar proporciona uma elevada performance, facilitando o trabalho dos microrganismos que fazem oxidação do enxofre elementar e garantindo uma aplicação mais uniforme.

Dessa forma, o constante investimento na pesquisa e tecnologia permite que o agricultor desfrute cada vez mais de fontes de nutrientes capazes de extrair o máximo potencial da sua lavoura.