Como otimizar a adubação de potássio na cultura do eucalipto?

Como otimizar a adubação de potássio na cultura do eucalipto?

O eucalipto é uma cultura relevante para a economia brasileira, com mais de 6,5 milhões de hectares plantados, segundo Indústria Brasileira de Árvores. Para sustentar uma produtividade média de aproximadamente 39 m3.ha-1 ao ano, os agricultores dependem da eficiência do manejo de nutrientes com grande impacto na produtividade da cultura, como o potássio. Saiba como otimizar a adubação de potássio na eucaliptocultura.

Os benefícios do potássio na cultura do eucalipto

O potássio é um macronutriente primário que participa em diversas funções essenciais para o desenvolvimento e a produtividade das culturas, que vão desde o crescimento celular a amenização de estresses bióticos e abióticos.

Nas fases iniciais da cultura do eucalipto, tais funções impactam diretamente no sucesso da etapa de adaptação das mudas às condições de campo. Esse processo é conhecido como rustificação e, geralmente, é realizado durante os 15 dias que antecedem o plantio.

No artigo Efeito do potássio na fase de rustificação de mudas clonais de eucalipto, Flavio Siqueira D’Avila e seus colegas pesquisadores atribuíram à aplicação de potássio na fase de rustificação o aumento do diâmetro de colo para os três clones avaliados.

Conforme a muda cresce e se desenvolve, a adubação potássica já começa a influenciar a produtividade. Diversos trabalhos desenvolvidos ao longo dos anos avaliaram o potencial da adubação potássica em aumentar em até 200% a produtividade do eucalipto.

A nutrição florestal está entre as três principais práticas capazes de potencializar a produtividade na cultura do eucalipto, como apontam os especialistas Raul Chaves e Marcos Diogo:

 

Contudo, o potássio vem se mostrando como um dos elementos que mais tem limitado a produtividade do eucalipto no Brasil. Os levantamentos nutricionais realizados no Estado de São Paulo, citados no Encarte técnico: Nutrição e adubação potássica em eucalyptus, mostram que todas as florestas avaliadas apresentaram deficiência de potássio.

A fim de garantir uma adubação potássica suficiente e eficiente, é preciso buscar algumas estratégias dentro do agroecossistema.

Estratégias para otimizar a adubação potássica do eucalipto

As estratégias para otimização da adubação potássica do eucalipto são muito importantes, uma vez que a cultura tem potencial para reduzir a fertilidade do solo logo no primeiro povoamento.

No artigo Produção e estado nutricional de povoamentos de Eucalyptus grandis, em segunda rotação, em resposta à adubação potássica, Geraldo Erli de Faria e seus colegas pesquisadores avaliaram os efeitos residuais de doses de potássio, entre outros parâmetros, na segunda rotação da cultura.

Os pesquisadores atribuíram a queda de produtividade de povoamentos de eucalipto em segunda rotação à redução na fertilidade do solo devido à exportação de potássio e de outros nutrientes pela colheita do tronco na rotação anterior.

Para evitar esses cenários de baixa produtividade e degradação da fertilidade do solo, é preciso:

No artigo Determinação da demanda nutricional de genótipos de Eucalyptus da Bahia Sul Celulose, Araújo et al. (2001) verificaram uma correlação direta entre o acúmulo de potássio nos clones de eucalipto, o tipo de solo e a produtividade.

Aos 7 anos após o plantio, os clones de eucalipto em argissolos amarelos de textura arenosa/argilosa e média/alta fertilidade acumularam aproximadamente 80% a mais de potássio, quando comparado àqueles em espodossolos de baixa fertilidade.

O maior acúmulo de potássio nos clones também levou a diferenças significativas na produtividade. Sendo que os talhões localizados nos argissolos amarelos alcançaram mais que o dobro da produtividade daquela verificada nos espodossolos, atingindo uma média de 49 m³.ha-1.ano-1.Relação entre a concentração de potássio nas folhas e a produtividade de E. saligna

Relação entre a concentração de potássio nas folhas e a produtividade de E. saligna, na região de Capão Bonito/SP. (Fonte: SILVEIRA, R. L.V. A. & MALAVOLTA, E., 2000)

Conhecendo o potencial do solo e seus fatores limitantes,  pode-se tomar algumas ações corretivas para garantir uma maior disponibilidade de potássio, como a regulação do pH.

Além disso, o próprio acúmulo de potássio na planta do eucalipto fornece indícios de outra prática. No capítulo Nutrição e Adubação Potássica em Eucalyptus do livro Potássio na Agricultura Brasileira, os autores Ronaldo L. V. A. Silveira, José L. Gava e Eurípedes Malavolta apontaram alguns valores médios do conteúdo de potássio nas diferentes partes das plantas:

  • Folhas: 23%;
  • Ramos: 12%;
  • Casca: 20%;
  • Madeira: 45%.

Como o eucalipto tem parte do seu processamento realizado ainda a campo, quanto mais material vegetal ficar retido no local, menor será a taxa de exportação de potássio dos talhões e, consequentemente, maiores podem ser as economias com adubação potássica.

No capítulo do livro Potássio na Agricultura Brasileira, os autores destacam que somente o descascamento no campo pode diminuir a quantidade de potássio aplicada na próxima rotação em 40 a 80 kg de potássio (K2O.ha-1), dependendo da produtividade desejada.

Outro fator com grande impacto na quantidade de potássio aplicada é o efeito residual dos fertilizantes. O efeito residual se caracteriza pela liberação gradual dos nutrientes para o solo e prolongação de todos os benefícios que o fertilizante possa proporcionar a longo prazo.

O investimento em pesquisas para encontrar fontes de nutrição com esse efeito residual surgiu com o objetivo de disponibilizar e ajustar os nutrientes às necessidades das plantas e ainda reduzir as perdas no sistema solo-planta-atmosfera. Mas, quais foram os benefícios constatados na cultura do eucalipto?

Os benefícios do efeito residual de potássio na eucaliptocultura

Na dissertação de mestrado Adubação e residual de doses de nitrogênio, fósforo e potássio no eucalipto em sistema de talhadia no Cerrado, Natasha Mirella Inhã Godoi observou que o residual de doses de K2O influenciou positivamente:

  • Biomassa: folhas, lenho e total;
  • Altura das plantas;
  • Volume de madeira.

Além disso, a autora também verificou que o efeito residual das doses de potássio também influenciou positivamente o teor de cálcio no solo, aumentou o teor de potássio no folhedo e de manganês e zinco nas folhas.

Logo, a otimização da adubação potássica explora o máximo potencial cultura do eucalipto ao promover o uso sustentável do solo, com o manejo da sua fertilidade com as melhores práticas e insumos disponíveis no mercado.

 

Compartilhe esta publicação