Como Fazer A Identificação De Nematoides Em Soja?

Como fazer a identificação de nematoides em soja?

Atualizado em::

Você sabia que o ataque de nematoides em soja nas últimas safras gerou um prejuízo acumulado de cerca de 65 bilhões de reais? Esse dado, levantado pela Sociedade Brasileira de Nematologia em parceria com outras empresas, revela o quão grande é o problema com nematoides na sojicultura brasileira. Para evitar esse problema na sua lavoura e saber como controlá-lo, entenda como fazer a identificação de nematoides em soja!

Quais nematoides atacam a soja?

Os nematoides têm despontado com um dos principais problemas fitossanitários da sojicultura brasileira.

Pesquisas recentes realizadas pela Sociedade Brasileira de Nematologia, em parceria com outras empresas, revelam que pelo menos uma em cada dez safras de soja são perdidas em decorrência dos prejuízos e perdas causadas pelo ataque de nematoides e doenças iniciais da soja.

Grande parte dos danos causados pelos nematoides em soja estão relacionados ao processo de parasitismo das fêmeas, que se alimentam diretamente nas raízes da soja e acabam comprometendo a capacidade de absorção de água e nutrientes da cultura.

Esses vermes microscópicos são capazes de causar danos irreversíveis ao sistema radicular da soja, podendo causar:

  • O comprometimento do desenvolvimento das plantas de soja;
  • O amadurecimento prematuro das plantas;
  • O intenso abortamento de vagens;
  • O amarelecimento das folhas;
  • A morte das plantas.

Além disso, os nematoides são vetores de diversas agentes patogênicos, como viroses, bactérias e fungos.

Eles também podem aumentar a susceptibilidade das plantas de soja a diversas doenças, seja por causar ferimentos nas plantas, seja pela promoção de alterações fisiológicas no hospedeiro.

Apesar dos sintomas gerais que as plantas de soja exibem quando estão sob ataque de nematoides serem similares, existem algumas pequenas diferenças que podem ser observadas dependendo da espécie que está afetando a cultura.

O primeiro grupo de espécies de grande importância econômica da soja são as espécies que pertencem ao gênero Meloidogyne, conhecidos popularmente como nematoides das galhas radiculares.

Nesse grupo estão inclusas espécies como M. incognita e M. javanica, que tendem a gerar grandes prejuízos para a cultura de soja nos anos em que acontecem “veranicos” na fase de enchimento de grãos.

Essas espécies podem ser reconhecidas pela presença de estruturas globosas nas raízes da soja, conhecidas como galhas, acompanhadas do amarelecimento e redução das plantas em padrão de “reboleiras” nas lavouras.

Lavoura Apresentando Reboleira Causada Pelo Ataque De Nematoides Em Soja

Lavoura apresentando reboleira causada pelo ataque de nematoides em soja (Fonte: Dias, W. P. – Embrapa soja, 2016)

Outras espécies de nematoides em soja que têm atraído a atenção de diversos sojicultores são o nematoide de cisto da soja (Heterodera glycines), o nematoide das lesões radiculares (Pratylenchus brachyurus) e o nematoide reniforme (Rotylenchulus reniformis).

Diversas regiões produtoras de soja têm relatado prejuízos associados ao ataque desses nematoides, sendo as regiões Sul, Centro-Oeste, Centro-Sul e Norte do Brasil aquelas mais afetadas.

A maior dispersão dessas pragas da soja nos últimos anos pode ser atribuída a uma série de fatores, incluindo as mudanças dos sistemas de produção e a fácil dispersão dos nematoides para novas áreas.

No caso do nematoide das lesões radiculares, por exemplo, essa espécie foi muito beneficiada com a incorporação de novas áreas com solos de textura arenosa para produção de soja, o que aumentou a vulnerabilidade da cultura.

Além disso, como a dispersão dos nematoides em soja se dá, principalmente, pelo transporte de solos infestados, a falta de cuidado com a limpeza dos implementos agrícolas e o beneficiamento de sementes acabaram aumentando o número de infestações por todo o Brasil.

Mas, então, como o agricultor pode identificá-los e evitar que eles afetem as lavouras?

Como identificar a presença de nematoides em soja?

Para fazer a identificação dos nematoides em soja é preciso ter noção que essa praga normalmente apresenta um tamanho microscópico, que não é visível a olho nu.

Por isso, a observação dos sintomas de ataque dos nematoides nas plantas muitas vezes fica limitada apenas à distinção dos possíveis grupos que podem estar presentes nas áreas.

De maneira geral, é possível identificar a presença dos nematoides das galhas na soja quando existe a presença de galhas nas raízes das plantas.

Já caso essa estrutura não seja observada e exista uma maior presença de raízes necrosadas, essas características podem indicar a presença dos nematoides das lesões radiculares.

Raízes De Soja Com Galhas E Massas De Ovos Coloridas Em Vermelho Com Fuccina Ácida

Raízes de soja com galhas e massas de ovos coloridas em vermelho com fuccina ácida (Fonte: Santos, T, F. S., 2012)

Entretanto, aferições mais precisas das espécies de nematoides em soja exigem a adoção de análises laboratoriais.

Para isso, o agricultor pode fazer uma amostragem de solo em diferentes pontos das áreas afetadas, para formar uma amostra composta de solo e raízes incluindo, pelo menos, a amostragem de cinco sistemas radiculares.

As amostras, então, devem ser homogeneizadas e acondicionadas em saquinhos plásticos devidamente identificados para serem encaminhados para os laboratórios o mais brevemente possível.

No laboratório, os técnicos farão a identificação precisa dos nematoides de acordo com as características morfológicas de cada espécie.

No caso dos nematoides das galhas, por exemplo, as fêmeas apresentam uma coloração branco-pérola e têm o formato de pera, enquanto as fêmeas do nematoide do cisto apresentam um formato de limão ligeiramente alongado e coloração branca.

Já no caso do nematoide reniforme, ele pode ser identificado tanto pela conformação semelhante à de um rim das fêmeas que atingiram sua maturidade sexual, quanto pela presença de massas de ovos sobre a superfície das radicelas da soja.

Após a identificação correta das espécies, o agricultor conseguirá adotar medidas de controle efetivas para as suas áreas.

Como controlar os nematoides em soja?

O controle de nematoides em culturas de ciclo curto, como a soja, normalmente exige a adoção das estratégias de controle antes da semeadura.

Isso porque o tempo de uma safra de soja geralmente é muito curto para que se obtenha respostas positivas das plantas às estratégias utilizadas.

É o que explicam Waldir Pereira Dias e outros pesquisadores, no estudo Nematóides em Soja: Identificação e Controle.

A primeira delas consiste na adoção de estratégias que minimizem a entrada dessa praga nas áreas das suas lavouras ou ainda que se disseminem entre os seus talhões, como:

  • O rigor quanto à qualidade fitossanitária das sementes;
  • A limpeza frequente do maquinário agrícola e do rodado dos veículos;
  • O manejo sempre na ordem dos talhões menos infestados para aqueles mais infestados.

Caso as áreas já estejam infestadas, o agricultor deve complementar essas medidas com outras práticas que promovam à redução das populações de nematoides em soja no campo.

Para isso, uma das estratégias mais utilizadas consiste no plantio de variedades de soja resistentes associado a adoção de sistemas de sucessão ou rotação com culturas não hospedeiras ou resistentes, considerando a viabilidade técnica e econômica das culturas na região.

Os pesquisadores da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) recomendam, por exemplo, que quando a espécie predominante for o M. incognita, podem ser semeadas culturas como o milho, o sorgo e o milheto resistentes.

Outros estudos mostram que o cultivo do arroz, o algodão e o sorgo por uma safra podem promover a redução da população do nematoide do cisto da soja, permitindo o retorno da soja na safra seguinte.

Contudo, pode ser necessário manter a cultura por pelo menos dois anos, caso a espécie de nematoide seja muito persistente na área, como acontece no caso do nematoide reniforme.

Agora, caso as espécies de nematoides predominantes na área apresentem uma ampla gama de hospedeiros, como o ocorre P. brachyurus,  a adoção do sistema de rotação ou sucessão com culturas não hospedeiras ou resistentes acaba não tendo uma eficácia tão alta.

Por isso, é necessária adotá-la sempre em conjunto com outras práticas, como a adubação verde, o aumento da matéria orgânica e da atividade microbiana do solo.

A adoção dessas práticas permite que a população de inimigos naturais dos nematoides no solo cresça, ao mesmo tempo em que a produção de diversos compostos tóxicos pelas plantas começa a reduzir diretamente a população dos nematoides no solo.

Algumas espécies de plantas que já demonstraram resultados positivos na redução populacional de algumas espécies de nematoides em soja incluem:

  • Várias espécies de crotalária, como spectabilis, C. grantiana, C. mucronata, C. paulinea;
  • A mucuna preta e a mucuna cinza;
  • O nabo forrageiro.

Recentemente, algumas pesquisas também têm relatado o potencial que as rizobactérias tem para o controle de nematoides em soja.

Algumas espécies de rizobactérias, como o Bacillus aryabhattai, produzem metabólitos secundários, como enzimas, antibióticos e compostos tóxicos, que tem atividade nematicida.

Apesar dos metabólitos secundários nematicidas produzidos por algumas cepas de B. aryabhattai ainda não terem sido totalmente caracterizados, estudos recentes têm relatado resultados promissores.

É o caso do estudo conduzido por Jing Zhao e outros pesquisadores Evaluation of Bacillus aryabhattai Sneb517 for control of Heterodera glycines in soybean.

Nesse trabalho, os pesquisadores avaliaram o efeito da inoculação de uma cepa da rizobactéria Bacillus aryabhattai sobre a população do nematoide de cisto da soja (Heterodera glycines),  observando:

  • Mortalidade de mais de 90% dos juvenis (J2) em 48h, nos experimentos conduzidos in vitro;
  • Redução de mais de 20% na taxa de eclosão dos ovos nos experimentos conduzidos in vitro, verificada após a contagem dos juvenis nove dias após o tratamento;
  • Redução de cerca de 40% no número de cistos presentes nos experimentos conduzidos nos vasos;
  • Redução em mais de 70% dos juvenis presentes no interior das raízes das plantas conduzidas no experimento à campo, sem diferenças entre mortalidade de machos e fêmeas.

Portanto, os pesquisadores concluíram que as sementes de soja tratadas com B. aryabhattai tiveram uma redução significativa do número de cistos de H. glycines presentes nos experimentos conduzidos em vasos e à campo.

A rizobactéria Bacillus aryabhattai é capaz de promover o controle de nematoides em soja e gerar diversos outros benefícios para as culturas agrícolas.

Por fim, é importante destacar que, como os nematoides atacam o sistema radicular das plantas, todas as práticas de manejo que favoreçam a melhor resistência e desenvolvimento das raízes da soja são importantes para mitigar os efeitos prejudiciais dessas pragas na soja.

Assim, a manutenção da fertilidade do solo e outras práticas que favoreçam a qualidade física e biológica do solo, devem sempre estar inclusas no programa de manejo de nematoides em soja.

Para controlar os nematoides em soja o agricultor deve estar atento a adoção conjunta de várias práticas

Em conclusão, podemos perceber que os nematoides em soja se tornaram um problema que tem um grande impacto na sojicultura brasileira, comprometendo não somente a produtividade da cultura, como também inviabilizando o cultivo em áreas altamente infestadas.

Por isso, é muito importante que o agricultor adote medidas preventivas que evitem a entrada dessas pragas nas suas lavouras e utilize práticas de manejo que reduzam as populações de nematoides em soja.

Além disso, o agricultor sempre deve estar atento à qualidade do seu solo, uma vez que ela pode potencializar o desenvolvimento do sistema radicular da soja e mitigar os danos causados pelos nematoides.

Dessa forma, a aplicação de fontes adequadas de nutrientes e outras práticas que promovam a melhor qualidade física e biológica do solo também são muito relevantes para se obter resultados positivos com as estratégias de controle de nematoides em soja!

Compartilhe esta publicação