Descubra como evitar a segregação de nutrientes causada pelos fertilizantes formulados compostos por misturas de grânulos

Descubra como evitar a segregação de nutrientes causada pelos fertilizantes formulados compostos por misturas de grânulos

A segregação de nutrientes é um grande problema quando se pensa no uso de fertilizantes formulados compostos por misturas de grânulos, ou seja, aqueles compostos por mais de uma matéria-prima nesse estado.

Devido a esse fenômeno, a nutrição da lavoura pode ficar totalmente desequilibrada, trazendo prejuízos para o produtor.

Antes de entender como resolver o problema da segregação, precisamos entender o que é esse fenômeno e como, exatamente, ele prejudica a produtividade da lavoura.

Entenda o que é a segregação de nutrientes na lavoura

Os fertilizantes formulados são aqueles que usam mais de uma matéria-prima para fornecer diferentes nutrientes para a lavoura.

Um exemplo é a famosa fórmula NPK, nitrogênio-fósforo-potássio. Geralmente os fertilizantes NPK misturam uma fonte de nitrogênio, uma fonte de fósforo e uma fonte de potássio, em formato de grânulos. A quantidade varia de acordo com a necessidade do produtor.

Por exemplo, na fórmula 20-00-20, temos 20% de nitrogênio, 0% de fósforo e 20% de potássio. Isso quer dizer que a cada 100kg do adubo utilizado, 20kg serão de nitrogênio que vai ser fornecido para as plantas, 0kg de fósforo e 20kg de potássio.

Isso vale para outros nutrientes também, como zinco, cálcio, enxofre, etc.

Acontece que cada matéria-prima tem um tamanho de partícula e densidade diferentes. Quando misturadas e colocadas nos equipamentos de distribuição do fertilizante no solo, as partículas menores e menos densas tendem a se separar de acordo com os seus tamanhos.

Produto 20-00-20 colocado na adubadora (i). O Nitrato por ser mais leve, cai primeiro (ii).
Ocorre a segregação e o potássio cai depois (iii). Fonte CENTRO CANAGRO “José Coral”

No estudo Segregação física e química de fertilizantes formulados, o pesquisador Dr. José Carlos Feltran, da Universidade Estadual de São Paulo (UNESP), juntamente com outros pesquisadores da mesma instituição, investigou o fenômeno da segregação de fertilizantes.

Para isso, os pesquisadores utilizaram diferentes formulações do adubo zinco + cálcio + enxofre. Ao analisarem a quantidade dos nutrientes no solo após a aplicação, eles concluíram que todos os formulados tiveram segregação durante a aplicação. O Dr. José Carlos Feltran destaca ainda que: “As partículas menores são depositadas no início da aplicação, e as maiores, no final do processo.”

Mas quais são exatamente os problemas gerados pela segregação de fertilizantes?

Os problemas que a segregação de fertilizantes traz para a lavoura

Quando o produtor escolhe a formulação do fertilizante que ele vai aplicar na lavoura, ele faz isso baseado nas necessidades que o seu solo tem.

O grande problema da segregação de nutrientes é que ela faz com que os nutrientes sejam distribuídos de maneira irregular, diferente daquela que havia sido planejada. Assim, trechos diferentes das linhas de plantação vão receber quantidades diferentes de nutrientes.

Assim, alguns trechos vão ter excesso de um nutriente e falta de outros daquela formulação. Isso faz com que haja um desequilíbrio nas quantidades de nutrientes presentes no solo, o que afeta a produtividade das plantas.

Cada nutriente precisa estar presente no solo e disponível para as plantas em uma quantidade adequada. Por exemplo, o excesso de nitrogênio no solo afeta a disponibilidade de boro e cobre, que são micronutrientes importantes para o desenvolvimento vegetal.

O excesso de potássio afeta a disponibilidade de magnésio e boro. Já o excesso de fósforo diminui a disponibilidade de zinco e cobre. E assim por diante.

Da mesma maneira, a falta de nutrientes causa problemas. Sem nitrogênio, por exemplo, a produção de clorofila e proteínas, entre outros processos, fica prejudicada. Sem potássio, a circulação de água e nutrientes é afetada. Sem o enxofre, há problemas na nodulação das leguminosas, na produção de clorofila e no enchimento de grãos.

Mas então, como resolver o problema da segregação de fertilizantes?

Homogeneidade: o segredo para combater a segregação de fertilizantes

Se o tamanho diferente das partículas é o principal causador da segregação de fertilizantes, a melhor solução para combater esse efeito e garantir que toda a lavoura receberá as mesmas quantidades de nutrientes é ter uma fórmula com tamanhos homogêneos.

Assim, com todas as partículas dos diferentes nutrientes com tamanhos próximos, não há a separação delas na hora da aplicação.

Ter um produto que já é homogêneo desde a sua fabricação elimina o problema da segregação sem a necessidade de intervenções no maquinário, como a proposta pelo pesquisador F.M.C  Carvalho no trabalho Desenvolvimento de um novo sistema para evitar a segregação de fertilizantes granulados.

BAKS: Enxofre e potássio com tecnologia exclusiva que evita a segregação

O BAKS é o fertilizante da Verde produzido com a MicroS Technology, uma tecnologia exclusiva de micronização do enxofre elementar, que evita a segregação de nutrientes.

Através da MicroS Technology, as partículas do enxofre elementar e do Siltito Glauconítico, que são as matérias-primas do BAKS, são reduzidas a um tamanho parecido.

Dessa maneira, os nutrientes que o BAKS oferece são distribuídos de maneira uniforme ao longo de toda área de aplicação. Isso faz com que todas as plantas tenham à sua disposição os nutrientes que ele oferece: potássio e enxofre, além de silício e manganês.

O enxofre elementar utilizado como matéria-prima do BAKS é uma fonte de enxofre mais eficiente que o enxofre sulfatado, já que não lixivia, reduzindo a necessidade parcelamento da aplicação por cultivo e possibilitando que seja feita apenas uma aplicação em adubação de sistema.

Além disso, o processo de micronização também torna o enxofre elementar mais eficiente que o enxofre pastilhado, por exemplo.

A outra matéria-prima do BAKS é o Siltito Glauconítico, que além do potássio, silício e manganês, possui propriedades benéficas para o solo, como alta capacidade de retenção de água e de troca catiônica no solo.

Essas características trazem melhorias para o solo, como um melhor ambiente para o desenvolvimento do microbioma saudável, o que melhora a saúde do solo de maneira geral.

BAKS ainda é ele é livre de cloro em sua composição. O cloro em excesso no solo tem traz diversos distúrbios, como a acidificação, a salinização e a compactação do solo.

Evite a segregação de nutrientes na hora de nutrir a sua lavoura com o BAKS!

Para saber mais sobre esse assunto, participe do Encontro com Gigantes do dia 19/11 com o tema “Como evitar a segregação de nutrientes?”

Inscreva-se gratuitamente em: https://www.kforte.com.br/segregacao-de-nutrientes/