Estudo de Roberto Santinato mostra fertilizante potássico eficiente e que melhora a produtividade do café

Estudo de Roberto Santinato mostra fertilizante potássico eficiente e que melhora a produtividade do café

O potássio é um nutriente exigido e extraído em grandes quantidades pelo cafeeiro. Assim, é importante que o cafeicultor esteja atento à adubação potássica na hora de pensar o manejo agrícola. Hoje, a maior parte do potássio usado na agricultura vem do Cloreto de Potássio (KCl). Entretanto, novas formas de fornecer potássio para as lavouras vêm sendo pesquisadas. Um estudo do Dr. Roberto Santinato mostra um fertilizante potássico eficiente e que melhora a produtividade do café.

O uso do K Forte® na adubação potássica

O potássio é um macronutriente muito importante para a cultura do café, estando envolvido em funções diretamente ligadas à produtividade e à qualidade da bebida do café, como:

  • Fotossíntese e respiração;
  • Circulação de seiva na planta; com efeito na
  • Formação de amido nas folhas; e
  • Contribuição na fase de granação dos frutos

Além disso, o potássio também é um dos nutrientes mais requeridos pelo cafeeiro, fazendo com que seja necessário estar atento ao manejo desse nutriente na lavoura.

Isso inclui a escolha do fertilizante potássico utilizado. O Cloreto de Potássio (KCl) é uma das fontes de potássio mais utilizadas na adubação atualmente. Entretanto, novas fontes podem ser eficientes e trazer vantagens para o cafeicultor.

O relatório de um experimento realizado pela empresa Santinato & Santinato Cafés, uma das referências na produção e na pesquisa cafeeira do país, mostrou que o K Forte®, fertilizante multinutriente da Verde, é uma alternativa com eficiência agronômica na substituição parcial do Cloreto de Potássio na adubação do café.

A pesquisa mostrou ainda que o uso do K Forte® teve efeitos positivos na acidez do solo, ajudando na manutenção de um pH adequado para a produção do café.

O K Forte® também garantiu bons níveis de produtividade em número de sacas por hectare e aumentou o tamanho da peneira, fator importante para garantir a qualidade da bebida.

O estudo foi conduzido entre 2015 e 2017, no município de Carmo do Paranaíba, em Minas Gerais.

Para o experimento, uma lavoura de café Catuaí Vermelho, com idade entre 8 e 9 anos no início do experimento, foi dividida em blocos ao acaso, cada um com dez plantas, sendo úteis as seis centrais de cada bloco.

Seis diferentes tratamentos com o fornecimento padrão de K2O de 400 kg por hectare foram aplicados nos blocos, sendo quatro blocos para cada tratamento.

  • O primeiro tratamento serviu como controle para experimento e não recebeu adubação.
  • O segundo tratamento utilizou 100% de KCl, dividido em quatro aplicações.
  • O terceiro tratamento utilizou 30% de K Forte® farelado em uma única aplicação e 70% de KCl nas três aplicações restantes.
  • O quarto tratamento utilizou 40% de K Forte® farelado em uma única aplicação e 60% de KCl nas três aplicações restantes.
  • O quinto e o sexto tratamentos utilizaram doses semelhantes, mas com o K Forte® na forma micronizada. O nível de adubação potássica nesses tratamentos foi de 400 kg por hectare.

Duas safras dos cafeeiros utilizados no experimento foram colhidas e avaliadas em 2016 e 2017, em parâmetros como biometria, teores foliares, produtividade, peneiras e qualidade da bebida.

Quais foram, então, os resultados do estudo?

Mais produtividade e tamanho da peneira maior com o K Forte®

Os resultados mostraram que a substituição parcial do Cloreto de Potássio pelo K Forte® na adubação do cafeeiro resultou em um aumento da produtividade em sacas por hectare.

Todos os tratamentos tiveram valores de produção superiores ao da testemunha que não recebeu adubação, que foi de 45 sacas por hectare. Além disso, todos os tratamentos que utilizaram o K Forte® tiveram uma produtividade mais alta em números absolutos:Resultados mostram que o K Forte® foi eficiente na adubação do café

Resultados mostram que o K Forte® foi eficiente na adubação do café.

Já o tamanho da peneira do café também teve resultados superiores à testemunha em todos os tratamentos. Esse parâmetro é muito relevante, já influencia na produtividade e qualidade da bebida, uma vez que garante um processo de torra mais uniforme.O uso do K Forte® foi eficiente para melhorar a peneira do café

O uso do K Forte® foi eficiente para melhorar a peneira do café.

Como esse parâmetro é ligado ao fornecimento de água e potássio, os resultados mostram a eficiência do K Forte® na disponibilização do nutriente para as plantas.

Mas, além disso, o fertilizante multinutriente da Verde trouxe mais benefícios para a lavoura.

K Forte®: Benefícios além do aumento da produtividade

As análises de solo feitas durante o experimento também mostraram que o uso do K Forte® foi benéfico para o solo.

Em relação à acidez do solo, para o pH H+Al (hidrogênio + alumínio), houve aumento do mesmo quando foi utilizado 100% do KCl na adubação e apenas 30% de substituição do KCl pelo K Forte®.

Níveis elevados de acidez estão ligados ao aumento da presença de hidrogênio e alumínio. O excesso de alumínio é tóxico para as plantas, prejudicando o seu desenvolvimento e tendo impactos sobre a produtividade.

Outra vantagem do uso do K Forte® na adubação do café é que ele é livre de cloro. Já o Cloreto de Potássio é um fertilizante com cerca de 47% desse elemento em sua composição.

O Cloreto de Potássio é composto por um alto teor de cloro.

Embora seja um micronutriente importante no desenvolvimento das plantas, o excesso desse elemento no manejo agrícola traz diversos malefícios, como sintomas de toxicidade nas plantas, além da salinização e a compactação do solo.

Esses efeitos reduzem a umidade do solo, a disponibilidade de nutrientes para as plantas e afetam negativamente o crescimento das raízes, e, em consequência, diminuindo a produtividade.

Adicionalmente, o K Forte® é fonte de silício, magnésio e manganês. Esses nutrientes participam de processos importantes do desenvolvimento e crescimento das plantas, melhorando a produtividade e a resistência contra pragas e doenças.

Assim, seu uso traz múltiplos benefícios para o seu solo e a sua plantação.

Os benefícios de ter o Siltito Glauconítico como matéria-prima

Além da sua produção com tecnologias exclusivas, os benefícios do K Forte® estão ligados à sua matéria-prima: o Siltito Glauconítico.

Essa rocha sedimentar é encontrada em São Gotardo, Minas Gerais e, além de potássio, silício, magnésio e manganês, ela é rica em glauconita. Nos Estados Unidos, a glauconita é utilizada como fertilizante desde 1760, sendo conhecida como greensand.

A estrutura mineralógica da glauconita ajuda a melhorar a estrutura do solo, como ressaltado pelo Dr. John Tedrow, pesquisador da Rutgers, The State Universty of New Jersey, John Tedrow, escreve no artigo Greensand and Greensand Soils of New Jersey: A Review:

“Os efeitos benéficos da glauconita no solo parecem estar proximamente relacionados a uma combinação de fatores, como ter uma alta capacidade de absorção de nutrientes do solo e uma capacidade de retenção de umidade relativamente alta.”A estrutura mineralógica da glauconita forma um “microcosmo de micropros”, ajudando a reter na retenção de água e nutrientes

A estrutura mineralógica da glauconita forma um “microcosmo de micropros”, ajudando a reter na retenção de água e nutrientes (Fonte: Bárbara Hodecker)

Além disso, o K Forte® é uma fonte de liberação progressiva. Isso ajuda a reduzir os efeitos da lixiviação, comuns a fertilizantes convencionais como o Cloreto de Potássio.

Como a lixiviação faz com que os nutrientes se desloquem para a camada mais profunda do solo, longe das raízes, a adubação com fontes suscetíveis a ela faz com que parte do que é aplicado na lavoura se perca – tornando o manejo não otimizado.

K Forte®: mais vantagens para o cafeicultor

Como o estudo da Santinato & Santinato Cafés demostra, o uso do K Forte® na adubação potássica do café é eficiente e, graças aos benefícios do Siltito Glauconítico, traz muitas vantagens para o cafeicultor.

KForte_BannerBlog