K Forte® é aprovado para a agricultura orgânica nacional e internacionalmente

K Forte® é aprovado para a agricultura orgânica nacional e internacionalmente

A agricultura orgânica vem ganhando cada vez mais espaço no mercado agrícola: o setor movimentou mais de 5 bilhões de reais no Brasil só em 2020. O K Forte® é aprovado para a agricultura orgânica nacional e internacionalmente, mas você sabe o que é essa prática e o que essa aprovação significa?

O que é a agricultura orgânica?

A agricultura orgânica é compreendida como uma série de práticas de produção agrícola que, em linhas gerais, se preocupa com o uso mais sustentável do solo, com o objetivo de reduzir impactos ambientais e garantir que os alimentos produzidos sejam mais saudáveis.

Muitas vezes chamada também de agricultura biológica ou agricultura alternativa, há  pesquisas que indicam que os alimentos cultivados com as técnicas da agricultura orgânica podem ser mais saudáveis, o que tem atraído os consumidores.

Embora o termo exista desde o começo do século XX, tendo sido cunhado pelo botânico Sir Albert Howard, a prática da agricultura orgânica ganhou força a partir de 1960. No Brasil, o Art. 1o, da Lei 10.831/03, define a agricultura orgânica da seguinte maneira:

“Considera-se sistema orgânico de produção agropecuária todo aquele em que se adotam técnicas específicas, mediante a otimização do uso dos recursos naturais e socioeconômicos disponíveis e o respeito à integridade cultural das comunidades rurais, tendo por objetivo a sustentabilidade econômica e ecológica, a maximização dos benefícios sociais, a minimização da dependência de energia não-renovável, empregando, sempre que possível, métodos culturais, biológicos e mecânicos, em contraposição ao uso de materiais sintéticos, a eliminação do uso de organismos geneticamente modificados e radiações ionizantes, em qualquer fase do processo de produção, processamento, armazenamento, distribuição e comercialização, e a proteção do meio ambiente”.

Os alimentos orgânicos vêm se mostrando lucrativos no mercado agrícola. Segundo o Diretor da Associação de Promoção dos Orgânicos (Organis), o segmento de orgânicos chegou a movimentar R$5.8 bilhões de reais em 2020, mantendo o ritmo de crescimento de 2019, quando o setor cresceu 19%.

Além disso, dados da IFOAM, Instituto de pesquisas de Agricultura Orgânica (FiBL) e da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado Minas Gerais (EMATER-MG) mostram que, em 2015, a agricultura orgânica já era praticada em mais de 50 milhões de hectares e 170 países do mundo todo.

Para garantir que os alimentos orgânicos sigam padrões em todo o mundo, existem as instituições certificadoras. Mas, como elas funcionam?

As instituições certificadoras orgânicas de insumos agrícolas

Para que um alimento seja considerado orgânico não basta que o produtor declare que ele é orgânico. É preciso que sejam seguidas uma série de normas e padrões, que guiam o processo produtivo. Segundo a IFOAM, a agricultura orgânica está baseada em 4 pilares:

  1. Saúde;
  2. Ecologia;
  3. Justiça;
  4. Precaução.

Pensando nesses pilares, o uso de fertilizantes químicos e sintéticos durante o cultivo dos alimentos é algo que não é permitido  na agricultura orgânica. E, para garantir que um produto é adequado para ser usado no cultivo orgânico existem certificados emitidos por diversos órgãos.

Um deles é o Organic Materials Review Institute (OMRI). Fundado em 1997, nos Estados Unidos, o instituto avalia e certifica produtos não somente para a agricultura orgânica, como fertilizantes e pesticidas, mas também para a pecuária orgânica, como alimentos para os rebanhos.

O OMRI é uma instituição não-governamental, mas também existem certificações emitidas por órgãos governamentais, como o California Department of Food and Agriculture (CDFA), que, entre outras coisas, regula esses produtos no estado da Califórnia (EUA).

Existem também instituições formadas por especialistas do setor agrícola, como é o caso da Ecocert. Fundada em 1991, na França, a instituição trabalha com os atores do mercado de orgânicos na implementação e promoção de práticas sustentáveis por meio de serviços de treinamentos, auditoria e certificação.

Hoje uma referência na certificação orgânica no mundo, alcançando o posto de líder global no segmento, a Ecocert se estabeleceu no Brasil em 2001. Já em 2011, a instituição foi uma das primeiras certificadoras a obter o credenciamento junto ao Ministério da Agricultura (MAPA) como certificadora de produtos orgânicos de acordo com a Norma Brasileira de Orgânicos (Lei 10831/03).

O K Forte® é aprovado para a agricultura orgânica nacional e internacionalmente

O K Forte® é um fertilizante multinutriente da Verde que é aprovado para a agricultura orgânica internacionalmente tanto pelo OMRI quando pelo CDFA e nacionalmente pela Ecocert. Isso significa que ele atende aos parâmetros exigidos para essa prática agrícola.

Produzido a partir do Siltito Glauconítico, o K Forte® é um fertilizante rico em potássio, um macronutriente essencial para o desenvolvimento adequado das plantas. Ele tem liberação gradual, o que evita perdas dos nutrientes por lixiviação.

Além disso o K Forte® também é rico em magnésio e manganês, micronutrientes que participam de processos fundamentais do crescimento das plantas.

A matéria-prima do K Forte® também possui silício em sua composição, um elemento que desde 2005 é considerado como benéfico para as plantas, auxiliando na melhoria da resposta aos estresses abióticos e bióticos.

O Siltito Glauconítico também é rico em glauconita. Esse mineral tem propriedades que beneficiam o solo, melhorando a capacidade de retenção de água e nutrientes e otimizando a adubação com nitrogênio.

O K Forte® ainda é livre de cloro, o que evita os malefícios do excesso desse elemento no solo, como a salinização e a compactação, e para as plantas. Por ser livre de cloro, ele favorece o desenvolvimento dos microrganismos benéficos do solo, como as micorrizas arbusculares, que promovem a fixação de carbono do ar e auxiliam as plantas em situações de estresse, como em épocas de seca.

Produtores orgânicos já estão utilizando o K Forte®

Produtores de alimentos orgânicos já estão utilizando o K Forte® em seus processos de manejo agrícola. É o caso do Sr. Getúlio Minamihara, agrônomo e produtor de cafés especiais e abacate em Franca, interior paulista.

A produção de Getúlio segue os princípios da agricultura orgânica e o café Minamihara é referência tanto no Brasil quanto no exterior, sendo exportado para países como Estados Unidos, Japão, China e Dinamarca.

Getúlio Minamihara conheceu o K Forte® em 2018 e conta os benefícios que ele trouxe para a sua produção:

 

O K Forte® é o fertilizante multinutriente que é reconhecido nacional e internacionalmente como adequado para a agricultura orgânica!

Compartilhe esta publicação