Café irrigado Saiba como ter sucesso neste manejo e se ele é ideal para sua fazenda

Café irrigado: Saiba como ter sucesso neste manejo e se ele é ideal para sua fazenda

Nos últimos 15 anos, a produtividade média nacional da cafeicultura passou de 15 para 31,6 sacas beneficiadas por hectare, com lavouras-modelo ultrapassando 60 sacas em média.

Essa fatia irrigada corresponde de 25% a 30% da produção nacional.

No dia 20 de agosto, o evento Encontro com Gigantes, promovido pela Verde, empresa que produz o fertilizante K Forte®, recebeu o Dr. Ricardo Teixeira, especialista em fertirrigação. Ricardo é engenheiro agrônomo, mestre e doutor em fisiologia vegetal, professor, pesquisador e consultor

A conversa pode ser vista na íntegra aqui:

Nos últimos anos a cada 10 projetos de irrigação, como relatou Dr. Ricardo Teixeira, oito são feitos por gotejamento, ou seja, irrigação localizada por tubo gotejador. Conheça os sistemas mais usados:

Sistemas da cafeicultura irrigada

Basicamente, os sistemas de irrigação para o cafeeiro podem ser divididos em dois grandes grupos: sistemas de irrigação em área total (pivô central e aspersão) e sistema de irrigação localizada (lepa, gotejamento, tripa).

Dr. Ricardo comentou sobre as médias de produtividade em sacas/ha em diferentes tipos de manejo de café:

-Sequeiro com manejo ruim = 15 a 30 sacas

-Sequeiro com manejo razoável = 30 a 35 sacas

-Irrigado com manejo razoável = 35 a 45 sacas

-Irrigado com bom manejo = 45 a 55 sacas

-Fertirrigado com bom manejo = 55 sacas

-Fertirrigado com manejo ruim = 25 a 35 sacas

Problemas e desafios da cafeicultura irrigada no Brasil

A cafeicultura irrigada no Brasil cresce, como apresentou Dr. Ricardo Teixeira, mas apresenta alguns problemas em relação ao manejo e estrutura, especialmente nas áreas de irrigação localizada: controle de água (qualidade e quantidade), uso de fertilizantes inadequados (cloretos, ureia e sulfatos) frequência de fertirrigação e falta de mão-de-obra capacitada.

Teixeira falou que não existe nenhuma disciplina nas universidades que ensine a fertirrigação, tão comum na Europa, mas aqui ainda pouco explorada. E que, aos poucos as pessoas que trabalham na área aprendem com acertos e erros, pois infelizmente não existe material técnico especificamente para a cafeicultura.

Mas afinal, o que é a fertirrigação?

Fertirrigação é a técnica de aplicação de fertilizantes através da água de irrigação. Para isso, utiliza-se a própria estrutura do sistema de irrigação e fertilizantes solúveis em água. Na irrigação localizada é necessário criar e manter um ambiente favorável de bulbo úmido para a região das raízes, mantendo essa região sempre saudável.

“Para o sucesso da fertirrigação é necessário avaliar constantemente a quantidade e a distribuição do sistema de irrigação. Os fertilizantes devem apresentar pureza, alta solubilidade, baixa condutividade elétrica, pouca variação no pH, além de ter compatibilidade com outros”.

Qual matéria orgânica devo usar na fertirrigação?

  • Esterco
  • Compostos feitos na propriedade
  • Compostos industrializados
  • Resíduos industriais
  • Ácidos húmicos e fúlvicos

O que define a produtividade na cafeicultura?

Três itens principais: fatores genéticos, culturais e ambientais

  • Fatores genéticos: eficiência biológica (adaptação ao meio e potencial produtivo)
  • Fatores culturais: controle fitossanitário
  • Fatores ambientais: clima e local de cultivo

Fatores ambientais e de tratos culturais contribuem ou não para que a carga genética possa se expressar e atingir o máximo em volume/qualidade.

Dr. Ricardo Teixeira, explica que a maioria dos produtores de café fazem adubação mista e seguem essa metodologia:

“Geralmente de setembro até o final de outubro, quando ocorrem menos chuvas, e épocas de veranico de janeiro e fevereiro são feitas as adubações sólidas. Além dos meses março, abril e maio, onde concentra-se as injeções nesse período”.

Segundo Ricardo, a demanda do nitrogênio e do potássio na fertirrigação do cafeeiro é elevada. E é necessário adicionar matéria orgânica constantemente ao solo.

Não perca os próximos eventos! Confira toda a programação do Encontro com Gigantes e faça sua inscrição pelo link: www.kforte.com.br/encontrocomgigantes

Dr. Ricardo Teixeira – Engenheiro agrônomo, mestre e doutor em Fisiologia Vegetal, professor, pesquisador e consultor

 

Compartilhe esta publicação