Como os microrganismos podem atuar no manejo integrado de pragas da cana de açúcar

Como os microrganismos podem atuar no manejo integrado de pragas da cana-de-açúcar?

Como combater insetos, nematoides e doenças que podem comprometer a produtividade das lavouras de cana-de-açúcar? O controle biológico através de microrganismos é um dos pilares do Manejo Integrado de Pragas e uma das ferramentas que pode ajudar nesse desafio.

Para falar sobre o assunto, a doutora em Entomologia pela Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (ESALQ/USP), bióloga licenciada pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) e Mestre em Entomologia pela mesma instituição, Dra. Ana Carolina Siqueira, participou do “Encontro com Gigantes – Como os microrganismos atuam no controle de pragas e doenças da cana-de-açúcar”.

O evento foi promovido pela Verde, empresa que produz os fertilizantes multinutrientes BAKS, K Forte®, K Forte Boro e Silício Forte, no dia 04 de fevereiro de 2021.

Você pode conferir a conversa, mediada por Rodrigo Mac Leod, na íntegra pelo link:

 

A relação com os microrganismos

A cana-de-açúcar é uma cultura histórica de grande importância socioeconômica no Brasil. O estado de maior destaque é São Paulo, com a maior área produtiva e produção em açúcar e etanol do país.

Para a Doutora em Entomologia, Ana Carolina Siqueira, a previsão de colheita para a safra 2020/2021 apresentará números expressivos com destaque para a produção do derivado açúcar.

“Segundo os dados da Companhia Nacional de Abastecimento, é esperada uma produção de 76 mil quilos por hectare, além dos seus derivados com quase 40 milhões de toneladas de açúcar e 30,6 bilhões de litros de etanol, revelando a grande participação no produto interno bruto do nosso país.”

Para garantir essa produtividade, estão sendo cada vez mais exploradas novas tecnologias envolvidas no Manejo Integrado de Pragas, já que essa cultura sofreu um aumento significativo de pragas e doenças com a proibição da queima da palhada para colheita pela Lei 42.056/9.

A entomologista apontou que os microrganismos possuem uma ampla variedade de benefícios na agricultura, como controladores microbianos de pragas e doenças, promotores de crescimento vegetal, participantes em processos fermentativos e de decomposição.

Com a busca constante dos agricultores por alternativas lucrativas e sustentáveis para gerir suas lavouras, o controle biológico de pragas e doenças tem se mostrado como uma boa alternativa e já vem sendo utilizada em mais de 2 milhões de hectares de cana-de açúcar.

A cultura apresenta um dos maiores programas de controle biológico utilizando microrganismos do Brasil, iniciado em 1970 com o controle da cigarrinha-das-raízes pela aplicação do fungo Metarhizium anisopliae.

Como é feito, então, o controle microbiano de pragas na cana-de-açúcar?

O controle microbiano de pragas

O controle microbiano, como o próprio nome já sugere, utiliza entomopatógenos capazes de manter a população de insetos-praga abaixo de níveis que causem danos econômicos. A Dra. Ana Carolina Siqueira menciona que uma das grandes vantagens do ponto de vista da sustentabilidade é que:

“Os fungos entomopatogênicos são inócuos ao homem e ao meio ambiente, o que vem a coroar essa busca por sustentabilidade.”

E o mercado se mostra cada vez mais aquecido para o controle microbiano. Para Siqueira, os mais de 50 produtos já registrados para Metarhizium anisopliae e Beauveria Bassiana e a movimentação de quase meio bilhão de reais no setor, demonstram essa grande aceitação do mercado advinda dos resultados que foram sendo observados ao longo dos anos no campo.

Outra causa que explica esse crescimento observado tem origem nos investimentos financeiros necessários para o desenvolvimento dessas soluções, como observa a Dra. Ana Carolina:

“O custo de aplicação de um produto microbiológico quando comparado ao custo de aplicação de um controle químico é muito menor. Além disso, o custo de produção desse produto também é muito inferior quando comparado aos custos e tempo envolvidos no desenvolvimento de uma molécula química”.

Com isso o controle microbiano de pragas tem se mostrado como uma solução economicamente viável, socialmente justa e ambientalmente correta, perpassando pelos três pilares principais da sustentabilidade.

Os microrganismos e o controle de doenças

A Dra. Ana Carolina aponta que como nenhuma variedade resistente é 100% imune aos patógenos, métodos de controle como tratamento térmico dos toletes antes do plantio e a utilização do controle biológico com os fungos do gênero Trichoderma e bactérias do gênero Bacillus são recursos valiosos.

Esses microrganismos colonizam o sistema radicular da planta, estabelecendo uma zona de interação que irá atuar sobre as doenças, produzindo, por exemplo, compostos que irão degradar a parede celular dos patógenos.

Outra forma de atuação dos microrganismos no controle das doenças e pragas é por meio da indução de resistência sistêmica contra doenças que atingem a parte aérea da planta.

Uma das coisas que a Dra. Ana Carolina ressalta é que, apesar do crescimento anual estimado de quase 25% para os produtos biológicos, o setor ainda tem muito um longo caminho pela frente com o desenvolvimento de novas tecnologias.

Além disso, a entomologista destaca o quão importante é optar pela utilização de produtos que não agridam a microbiota estabelecida através do controle biológico:

“O produtor que optar por fazer a inoculação do controle biológico no solo e utilizar produtos que ajudem a acelerar e aumentar o desenvolvimento da microrganismos, irá garantir que o produto aplicado persista na lavoura ao longo do tempo”.

Para ver mais sobre a conversa com o Dra. Ana Carolina Siqueira, assista ao vídeo na íntegra.

Não perca os próximos eventos. Confira toda a programação do Encontro com Gigantes e faça sua inscrição pelo link: https://www.kforte.com.br/encontrocomgigantes/

Dra. Ana Carolina Siqueira – Ana Carolina Oliveira Siqueira é doutora em Entomologia pela Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (ESALQ/USP) e tem mais de 10 anos de experiência na área de fitossanidade. Sua pesquisa tem ênfase em Entomologia e Acarologia Agrícola, e ela atua principalmente nos seguintes temas: Controle Microbiano de Pragas utilizando fungos entomopatogênicos, Desenvolvimento de biodefensivos, Manejo Integrado de Pragas (MIP) e Microrganismos Inoculantes para promoção de crescimento e sanidade vegetal. Ana Carolina Siqueira é bióloga licenciada pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) e Mestre em Entomologia pela mesma instituição.