Como controlar as formigas cortadeiras na cultura do eucalipto

Como controlar as formigas cortadeiras na cultura do eucalipto?

Com potencial para desfolhar um eucalipto adulto em uma noite e distribuídas amplamente por todo o continente americano, as formigas cortadeiras tem causado uma série de prejuízos agrícolas.

Para falar sobre esse assunto, o Doutor em Entomologia e pesquisador de pós-doutorado na Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (ESALQ-USP), Dr. Fernando Ribeiro Sujimoto, participou do “Encontro com Gigantes – Controle de formiga-cortadeira no eucalipto”.

O evento foi promovido pela Verde, empresa que produz os fertilizantes BAKS, K Forte®, K Forte Boro e Silício Forte, no dia 01 de abril de 2021.

Você pode conferir a conversa, mediada por Fernanda Santos, na íntegra pelo link:

A ecologia das formigas cortadeiras

As formigas cortadeiras são insetos sociais representados por dois grandes gêneros: Atta e Acromyrmex, conhecidos popularmente como saúvas e quenquéns respectivamente. Segundo o Dr. Fernando Ribeiro, elas dependem da sua relação com os demais indivíduos da colônia para garantir a sobrevivência:

“A formiga cortadeira é um representante dentro do grupo dos insetos sociais, ou seja, as formigas dependem da interação com os outros indivíduos. Todas as atividades e interações que elas fazem dentro e fora do ninho são a favor da sobrevivência em grupo, que nós chamamos de colônia.”

Essas colônias são formadas com a revoada das formigas rainhas de outros formigueiros já maduros, que darão início a um novo ninho. Em seus meses iniciais, esses ninhos não passam de meio metro dentro do solo e vão ganhando profundidade e ramificações com o passar dos anos.

As rainhas dão origem a operárias fêmeas, que se dividem em duas castas principais:

  • Operárias menores: compostas por formigas jardineiras e generalistas que cuidam das atividades internas do ninho;
  • Operárias maiores: compostas por formigas forrageiras e soldados responsáveis pelas atividades internas e externas do ninho.

O Dr. Fernando Ribeiro explicou que o entendimento dessa divisão de castas e da arquitetura do ninho tornam-se as principais ferramentas para que sejam desenvolvidos os métodos de controle da espécie:

“Quando entendemos essa dinâmica biológica e ecológica dessas colônias, tanto de eucalipto, pinus, ou qualquer outra cultura agrícola que esteja sob ataque das formigas cortadeiras, nós conseguimos controlar melhor.”

Porém com o baixo número de pesquisas na área, o controle químico ainda é a alternativa mais eficiente considerando as características estruturais da arquitetura do ninho. Isso porque os ninhos maduros podem chegar a até 8 metros de profundidade e podendo ganhar entre 20 e 50 câmaras de fungos, o que inviabilizaria o controle mecânico.

O controle químico das formigas cortadeiras

O controle químico se inicia com a identificação dos insetos pragas a um nível que cause prejuízos econômico, seguido da identificação da fase de desenvolvimento que o eucalipto se encontra.

Segundo o Dr. Fernando Ribeiro, a identificação das formigas cortadeiras pode ser feita observando-se os danos do particular corte em meia-lua ou semicírculo realizado pelo inseto na planta ou ainda com a presença de trilhas ou carreiros nos talhões.

Após essa etapa, o controle é planejado e executado de diferentes formas de acordo com o estágio de desenvolvimento do eucalipto, sendo dividido em

  • Pré-corte raso;
  • Pré-plantio;
  • Pós-plantio;
  • Manutenção

Dos 4 diferentes momentos de controle, o pré-plantio é aquele que requer maior atenção. De acordo com o Dr. Fernando Ribeiro, a muda ainda não vai ter desenvolvido completamente todos os mecanismos bioquímicos ou mesofísicos, como tricomas, ceras e taninos, que vão servir para defender a planta contra ataques de herbívoros:

“De todas as etapas da fenologia do crescimento do eucalipto nos talhões, as mudas serão as mais suscetíveis aos danos causados pelas formigas cortadeiras. Isso envolve diversos motivos, como a altura da planta, que vai estar mais baixa e acessível as formigas ou ainda ineficiência ou falta de defesas naturais pelo recém-transplante das mudas dos viveiros, quando comparadas as árvores maduras.”

Como as formigas almejam o corte da parte foliar para cultivar o fungo presente no ninho que compõe parte da sua dieta, a planta vai sofrendo durante todo o ciclo florestal com uma redução do potencial produtivo de madeira, que culmina na perda de valor agregado final.

Considerando todo o potencial de perdas em decorrência do ataque dessas pragas e com métodos de controle alternativos ainda muito dependentes de diversos fatores, como o grupo e idade das formigas e o tamanho da área, ainda é requerida uma ênfase muito maior no controle químico, em especial as iscas granuladas.

As iscas granuladas e o potencial dos outros métodos de controle das formigas cortadeiras

Distribuídas de forma localizada ou sistemática, as iscas granuladas a base de sulfluramida ou fipronil possuem atrativos que fazem com que as formigas carreguem o composto para dentro dos ninhos. Lá dentro, elas acabam indiretamente com a colônia, através a morte da principal fonte de alimentos: os fungos cultivados.

Porém o Dr. Fernando Ribeiro alertou que esse método químico possui uma série de cuidados que devem ser tomados, a fim de garantir a sua boa efetividade com a observação de fatores como: umidade, temperatura, tratos culturais e uso de Equipamentos de Proteção Individual. Além disso, é importante observar a integração de todos os outros fatores que compõe o Manejo Integrado de Pragas:

“Há todo um trato silvicultural que deve ser levado em consideração para auxiliar não somente no controle químico, mas como também para prevenir o desenvolvimento dos ninhos. Acredito que é uma somatória de tratos silviculturais, manejo da cultura como um todo considerando a formiga cortadeira como um fator integrante da área”

Para entender mais sobre o controle da formiga cortadeira na cultura do eucalipto, confira o vídeo do Encontro com Gigantes na íntegra!

Não perca os próximos eventos. Confira toda a programação do Encontro com Gigantes e faça sua inscrição pelo link: https://www.kforte.com.br/encontrocomgigantes/